Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sob coro de ‘ladrões’, deputados deixam prisão após decisão da Alerj

Um dos quatro parlamentares liberados, André Corrêa (DEM-RJ) disse que os 'humilhados serão exaltados'

Quatro dos cinco deputados estaduais do Rio de Janeiro presos desde 8 de novembro, acusados de participar de um esquema de corrupção com o governo do estado durante as gestões de Sergio Cabral e Luiz Fernando Pezão, ambos do MDB e presos, foram libertados por volta das 16h30 desta quinta-feira, 24, do presídio de Bangu 8, na zona oeste do Rio. A secretaria estadual de Administração Penitenciária providenciou a libertação cumprindo decisão da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), que, na terça-feira 22, decidiu pela soltura.

André Corrêa (DEM), Luiz Martins (PDT), Marcus Vinícius Neskau (PTB) e Marcos Abrahão (Avante) saíram do presídio a pé, sob coro de “ladrões” entoado por pessoas que presenciaram a libertação. O quinto deputado é Chiquinho da Mangueira (PSC), que cumpria prisão domiciliar.

O deputado André Corrêa afirmou ao jornal O Globo que “aqueles que foram humilhados serão exaltados”: “Preso sem ser condenado, sem ter direito a julgamento, sem sequer ser ouvido pelo juiz. Muito sofrido. Família sofre, mas acredito na Justiça. Tenho pra mim reputação estraçalhada. Tenho pra mim aquilo que eu acredito a palavra que eu acredito, é que a justiça será feita. Sou inocente. E aqueles que foram humilhados serão exaltados”.

A Alerj aprovou na última terça-feira uma resolução favorável à soltura dos deputados, mas sem que eles possam reassumir os mandatos. Os cinco chegaram a ser empossados na cadeia, mas a Justiça não reconheceu a legitimidade do ato. Eles são acusados de recebimento de propina e de associação criminosa, e foram presos na Operação Furna da Onça da Polícia Federal (PF), deflagrada em 8 de novembro de 2018 para cumprir 19 mandados de prisão temporária, três de prisão preventiva e 47 de busca e apreensão. A operação foi um desdobramento da Operação Lava Jato no estado do Rio de Janeiro.

Depois da votação na Alerj, houve um imbróglio entre a Casa e o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), com idas e vindas de ofícios.

Na tarde desta quinta-feira, a Primeira Seção Especializada do tribunal decidiu que, como os políticos não terão direito a reassumir os cargos, eles não têm direito a foro especial e, portanto, o caso deve ser encaminhado para a primeira instância – mais precisamente para o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

A decisão sobre os deputados serem libertados ou não enquanto aguardam julgamento – eles cumpriam prisão preventiva havia quase um ano – foi cobrada da Alerj pela ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), na semana passada.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ney Gercey L. Barbosa

    Começou a festa!

    Curtir