Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Skaf declara apoio a França e dupla alfineta Doria: ‘Aqui tem palavra’

Terceiro colocado na disputa, emedebista gravou vídeo e afirmou que candidato do PSB 'tem o compromisso de não estar com o PT'

Por Redação Atualizado em 10 out 2018, 15h27 - Publicado em 10 out 2018, 12h32

Paulo Skaf (MDB) anunciou oficialmente seu apoio ao candidato Márcio França (PSB), que briga no segundo turno contra João Doria (PSDB) pelo governo de São Paulo. Eles se encontraram na manhã desta quarta-feira em evento no Sesi de Suzano, no interior de São Paulo.

Na noite de terça, Skaf já havia decidido dar seu apoio ao atual governador do estado. O emedebista terminou em terceiro lugar a corrida do primeiro turno, sendo superado por França por apenas 90.000 votos.

Em suas redes sociais, o atual governador publicou um vídeo ao lado do novo aliado. “O Márcio França tem também o compromisso de não estar com o PT, de não apoiar o Haddad. Aliás, nas eleições municipais, ele apoiou o Doria, e não o Haddad. Depois, foi vice-governador do Alckmin. Então, quem vem com essa história ideológica em São Paulo, isso não cola”, diz Skaf na gravação. Uma das estratégias da campanha de Doria é colar a imagem de França ao partido de Lula, em uma tentativa de atrair o voto antipetista, principalmente de eleitores de Bolsonaro.

“O que nós queremos é um governador que fale verdade, que tenha caráter, personalidade e se preocupe, acima de tudo, com o estado de São Paulo. O meu voto é seu”, acrescenta o emedebista ao lado de um sorridente França, que diz: “Aqui tem palavra”. Skaf ainda completa: “E que fique claro também que meu voto para presidente é 17, Bolsonaro”.

  • Trajetória

    Skaf, que é presidente licenciado da Fiesp, estrou na política em 2010, pelo PSB. Em entrevista à rádio Jovem Pan, França disse que ele próprio fez o convite a Skaf. “Ele foi filiado no meu partido, na primeira vez que entrou na política foi por convite meu”, afirmou. Em 2014, Skaf concorreu ao governo já pelo MDB, mas perdeu o pleito para Geraldo Alckmin, de quem França era vice.

    Paulo Skaf em propaganda eleitoral de 2010 Foto/Reprodução
    Continua após a publicidade
    Publicidade