Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Serra recebeu R$ 20 milhões, diz Joesley

Repasses foram feitos durante a campanha de 2010, após uma visita de à sede da JBS. Parte do dinheiro foi paga em caixa dois

Por Hugo Marques - Atualizado em 19 maio 2017, 18h28 - Publicado em 19 maio 2017, 14h45

O empresário Joesley Batista detalhou em sua delação premiada o pagamento de 20 milhões de reais ao senador e ex-ministro José Serra em 2010. Parte dos repasses se deu por meio de caixa dois, segundo ele. Joesley diz que Serra fez uma visita à sede da JBS, em São Paulo, e fez o pedido de ajuda para a campanha. Naquele ano, Serra disputou a Presidência com Dilma Rousseff, mas perdeu no segundo turno.

Joesley Batista explicou que do total de dinheiro para Serra, 6 milhões foram doados com o uso de notas frias para a empresa LRC Eventos e Promoções. A operação envolveu a “falsa venda” de um camarote da Fórmula 1. “Como se nós tivéssemos comprado um camarote de Fórmula 1. E teve realmente esse camarote e teve essa corrida de Fórmula 1. Só não podia custar 6 milhões, né?”, disse Joesley.

Parte dos pagamentos foi feita “por dentro”, ou seja, com registros no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O dono do JBS deu ainda detalhes sobre pagamentos oficiais feitos por indicação de José Serra. A operacionalização dos pagamentos foi feita, segundo Joesley, por uma pessoa conhecida como “senhor Furquim”, amigo de José Serra que já teria morrido.

Publicidade