Clique e assine com até 92% de desconto

Serra e Kassab estudam lançar chapa ao governo de São Paulo

Dupla já venceu eleição para prefeitura paulistana em 2004; tucano deixou o cargo após 15 meses para disputar, com sucesso, o Executivo paulista

Por Ricardo Chapola Atualizado em 28 nov 2017, 16h27 - Publicado em 28 nov 2017, 16h16

O senador José Serra (PSDB) e o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab – que também é presidente nacional do PSD –, conversam para lançar uma possível candidatura do tucano ao governo de São Paulo nas eleições de 2018.

A informação foi confirmada por amigos próximos ao tucano e pessoas do entorno de Kassab, que seria o vice na chapa. Essa formação já aconteceu na eleição de 2004, quando o tucano chegou à Prefeitura de São Paulo, tendo Kassab como vice – após 15 meses, Kassab virou prefeito depois que o tucano decidiu disputar o governo paulista.

“A relação de Serra e Kassab é muito boa. Sempre foram muito próximos. E dentro do PSDB, uma candidatura do Serra ao governo é bastante expressiva. Tem muito prestígio interno”, afirmou o presidente nacional interino do PSDB, Alberto Goldman.

Além de Serra, outro postulante ao cargo no PSDB é o prefeito de São Paulo, João Doria. Ele teria, inclusive, se reunido no final de semana com o governador Geraldo Alckmin (PSDB), possível candidato tucano à Presidência, para pedir apoio à sua candidatura.

Independentemente de quem seja o candidato da legenda à sucessão no Executivo paulista, Alckmin já tem confidenciado aos seus auxiliares que projeta dois palanques para subir em São Paulo no ano que vem: um tucano e outro do atual vice-governador de São Paulo, Márcio França (PSB).

  • França assume a cadeira de Alckmin em abril, quando o governador terá que de desincompatibilizar do cargo para disputar a Presidência, e fala abertamente que também pretende ser candidato ao governo paulista. “O Serra é o mais preparado e o mais experiente candidato que o PSDB  pode arrumar para disputar comigo. Vai ser uma disputa qualificada, entre candidatos que se respeitam”, afirmou França.

    Será a primeira vez, depois de 20 anos à frente do governo, que o PSDB deixará o comando do Estado nas mãos de um político de outro partido que tentará a eleição. Em 2006, quando Alckmin saiu do governo para disputar a Presidência, o então vice, Claudio Lembo (do então PFL, hoje DEM) não tentou se eleger.

    Continua após a publicidade
    Publicidade