Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Sem limites: Bolsonaro ironiza Jandira e o próprio filho

Pai de Flávio Bolsonaro, o deputado federal Jair afirma que pupilo “deu uma broxada” e que comunista tentou “se fazer de boazinha”

Por Thiago Prado - Atualizado em 30 ago 2016, 15h54 - Publicado em 26 ago 2016, 16h15

A polêmica envolvendo os deputados federais Jair Bolsonaro (PSC) e Jandira Feghali (PCdoB) continuou nesta sexta-feira. Ontem, quando seu filho, Flávio Bolsonaro, passou mal em debate promovido pela Rede Bandeirantes, ele impediu a comunista, que é médica, de atendê-lo: “Essa médica de araque, não. Ela vai dar estricnina para meu filho”, disse. “Fascista. Réu por estupro”, devolveu Jandira.

Saiba mais: Debate do Rio tem guerra entre candidatos e baixaria na plateia

Hoje, Bolsonaro voltou a atacar a adversária: “Não aceito nada de comunistas, e ela quis se passar por boa moça. Tenho um projeto para criminalizar a foice e o martelo. Se suástica é proibida, o símbolo dos comunistas que mataram milhões pelo mundo também não pode”, afirmou Bolsonaro. O deputado explicou que seu filho Flavio passou mal porque não ouviu seus conselhos de reduzir reuniões no dia do debate. “Ele tem ficado na rua diariamente de 7h30 até 22h. Também estava tenso. Acabou dando uma broxada na largada”, ironiza Bolsonaro pai, que chegou a brincar com o filho após a falha na noite de ontem: “Paga umas flexões aí”.

VEJA quis saber se a família Bolsonaro, sempre tão firme em suas posições, não saiu chamuscada do debate em que teve que bater em retirada após problemas estomacais: “Somos homens de carne e osso. Sei que eu estarei preparado para o debate em 2018”, afirma Jair Bolsonaro, em relação ao projeto de ser candidato a presidente daqui a dois anos.

Publicidade