Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sem domar a inflação, Bolsonaro subiu o tom após estagnar nas pesquisas

Depois de recuperar popularidade, presidente parou de crescer em maio, mês em que intensificou ataques a governadores, Petrobras e Judiciário

Por Daniel Pereira Atualizado em 25 Maio 2022, 14h24 - Publicado em 22 Maio 2022, 18h01

Nos primeiros quatro meses do ano, o presidente Jair Bolsonaro (PL) recuperou popularidade e melhorou seus indicadores nas pesquisas de opinião, acirrando ainda mais a disputa eleitoral com Lula (PT). Levantamento Genial/Quaest mostrou que a avaliação positiva do governo passou de 22% em janeiro para 26% em abril, enquanto a negativa caiu de 50% para 47% no mesmo período. Em intenções de voto espontâneas, Bolsonaro saltou de 16% para 22% no primeiro quadrimestre, reduzindo a vantagem para Lula, com 28%.

Essa melhora já era esperada pelos auxiliares do presidente. Eles previam que o candidato à reeleição empataria com o petista em maio e o ultrapassaria até agosto, num movimento contínuo de crescimento. A estratégia era evitar confrontos desnecessários e priorizar uma agenda positiva, na qual seriam enfatizadas as ações oficiais, como o Auxílio Brasil e a antecipação do 13º salário de aposentados e pensionistas do INSS. Esse roteiro vinha sendo cumprido até maio, quando Bolsonaro estancou nas pesquisas.

Nas simulações de primeiro turno estimuladas da Genial/Quaest, o ex-capitão marcou 29% em maio, dois pontos percentuais a menos do que em abril. Lula também ficou onde estava, registrando 45%, um ponto a menos do que no mês anterior. A sondagem da XP/Ipespe divulgada nesta sexta-feira, 20, confirmou o quadro de estabilidade: Lula com 42% e Bolsonaro com 32%. A interrupção da trajetória de crescimento do presidente foi acompanhada de uma mudança de postura de Bolsonaro, que resolveu intensificar os ataques a diferentes alvos.

Nos últimos dias, ele acentuou a ofensiva sobre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o ministro Alexandre de Moraes, que presidirá o TSE nas eleições e é o relator dos inquéritos no Supremo Tribunal Federal que investigam o clã presidencial. Bolsonaro também demitiu o ministro de Minas e Energia, retomou as críticas à diretoria da Petrobras — ameaçando privatizar a empresa, o que não cogitou fazer em nenhum momento de seus mais de três anos de mandato — e insistiu em culpar os governadores pela crise econômica. O objetivo é claro: demonstrar empenho pela redução dos preços dos combustíveis e da energia  — um empenho que só não surte efeito, segundo a retórica do ex-capitão, porque Petrobras, governadores, Judiciário e o universo conspirariam contra ele.

A pesquisa XP/Ipespe até detectou que a nova estratégia do presidente o ajudou a convencer o eleitorado de que outros atores também são responsáveis pela carestia dos combustíveis. Mas isso só reduz um pouco o dano eleitoral. De acordo com a Genial/Quaest, 50% dos entrevistados consideram a economia o problema mais grave do país. Eram 37% em janeiro. Dentro os fatores econômicos, há preocupação com a crise de uma forma geral e com a inflação. Sem solução à vista para a comida e a gasolina caras, restou a Bolsonaro a velha estratégia de tentar sair das cordas atacando.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)