Clique e assine a partir de 9,90/mês

Secretária que cuidava dos ‘acarajés’ da Odebrecht negocia delação premiada

Maria Lúcia Tavares pode esclarecer aos investigadores da Lava Jato os pagamentos feitos pela empreiteira ao publicitário João Santana

Por Da Redação - 8 mar 2016, 09h02

A secretária da Odebrecht Maria Lúcia Tavares está negociando acordo de delação premiada com os investigadores da Lava Jato, segundo a edição desta terça-feira do jornal Folha de S. Paulo. Era Maria Lúcia, lotada na sede da empresa em Salvador (BA), quem guardava as planilhas de contabilidade dos “acarajés”, codinome que a força-tarefa atribui ao pagamento de propina.

A funcionária foi presa na 23ª fase da Lava Jato, batizada Acarajé, deflagrada em 22 de fevereiro. Essa etapa da operação apontou mais indícios do envolvimento de Marcelo Odebrecht no petrolão e teve como principal alvo o publicitário João Santana, responsável pelas campanhas eleitorais de Lula e Dilma.

Documentos em posse da força-tarefa do Ministério Público apontam que Maria Lúcia era quem controlava as planilhas de pagamentos ilícitos feitos pela empreiteira. Em uma delas, constavam destinatários como “Feira”, uma referência a João Santana, e JD, em alusão ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Ao explicar, em depoimento à Polícia Federal, a origem do termo “acarajé”, a funcionária apresentou uma versão fantasiosa e nada convincente. Disse que “as baianas em Salvador vendem pequenas porções para aperitivo, em caixa, e então cabia [a ela] providenciar essas entregas a pedido de Hilberto”. Por essa narrativa, os acarajés – em porções de 50 – seriam supostamente remetidos de Salvador para o Rio de Janeiro e chegavam “quentinhos”.

Leia mais:

Continua após a publicidade

A rede de ‘acarajés quentinhos’ de Marcelo Odebrecht

Essa é a primeira vez que um funcionário da maior empreiteira do país vai colaborar com as investigações. Se fechar o acordo, Maria Lúcia pode esclarecer os pagamentos paralelos feitos a Santana. De acordo com a Folha, o acordo de delação ainda não foi homologado pela Justiça, mas a negociação foi confirmada ao jornal por três fontes.

Maria Lúcia decidiu colaborar com a Lava Jato depois que ganhou a liberdade, no dia 2 de março. Nesse dia, uma reunião foi convocada às pressas pelos advogados da empreiteira para debater a delação – negociada fora do controle da Odebrecht. Um advogado disse ao jornal que um dos principais pontos debatidos no encontro foi que os responsáveis pela defesa da secretária não souberam dar o suporte necessário a ela.

(Da redação)

Publicidade