Se eleito, Alckmin diz que não vai alterar reforma trabalhista

Durante encontro com empresários em Belo Horizonte, tucano também defendeu a redução paulatina dos impostos

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 30 jul 2018, 17h32 - Publicado em 30 jul 2018, 16h02

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, não vai fazer alterações na reforma trabalhista aprovada no Brasil. O tucano fez a afirmação durante encontro com empresários em Belo Horizonte. “Trabalhei muito por ela”, disse. Ao falar especificamente sobre imposto sindical obrigatório, reafirmou ser contra a cobrança.

Na sexta-feira (20), um dia após firmar a aliança com o Centrão, o ex-governador publicou, em sua conta no Twitter, que não havia ”plano de trazer de volta a contribuição sindical”. A publicação, inclusive, causou um primeiro atrito entre Alckmin e seus aliados do grupo formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade.

A declaração causou desconforto nos dirigentes do Solidariedade, ligado às centrais sindicais. “Do jeito que ele [Alckmin] falou, ficou mal. Não vai colocar nada no lugar [do imposto sindical]? Conversamos com o Paulinho para não fechar nada com ele por enquanto. Essa informação prejudica mais ainda”, disse o secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves, o Juruna, na sexta-feira.

Como alternativa à contribuição, Alckmin é favorável à proposta do Solidariedade de que convenções de trabalhadores possam criar receitas extraordinárias ou contribuições voluntárias aos sindicatos. “É uma contribuição dentro da razoabilidade. Quem sugeriu nem fui eu, foi o ACM Neto [do DEM]”, explicou Paulinho.

Publicidade

Em relação ao sistema tributário, o tucano afirmou que o ideal é que a carga de impostos seja reduzida paulatinamente. Alckmin disse ser difícil no mundo encontrar países que tenham apenas um imposto, mas que o ideal é também não ter grande número de tributos. “Num país grande como o Brasil, não é fácil. É preciso uma escadinha, para que os impostos sejam reduzidos aos poucos”, avaliou.

Publicidade