Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Saiba quem é o petista que filiou Sergio Moro ao PT

Dirigente do partido no Paraná, Claudio Cezar de Matos foi apontado pelo Ministério Público como responsável por fraude envolvendo ex-juiz da Lava-Jato

Por Hugo Marques Atualizado em 30 mar 2022, 09h57 - Publicado em 30 mar 2022, 08h35

Em abril do ano passado, quando disputar as eleições presidenciais era apenas um projeto, Sergio Moro soube que, caso levasse a ideia à frente, poderia fazê-lo pelo PT.  O ex-juiz da Lava-Jato foi surpreendido com a notícia de que havia se  “filiado” ao partido do ex-presidente Lula. Era, obviamente, uma fraude.

Alguém pegou os dados de Sergio Moro, falsificou uma ficha de filiação e o transformou em correligionário do ex-presidente Lula, condenado à prisão pelo próprio Moro por crime de corrupção.

A novidade é que o Ministério Público Eleitoral identificou o suposto responsável pela “filiação” do ex-ministro da Justiça: trata-se do secretário de Organização Estadual do PT no Paraná, Claudio Cezar de Matos.

O Ministério Público Eleitoral descobriu que a “filiação” de Moro foi feita através do computador usado pelo dirigente petista na sede do partido em Curitiba.

Claudio Cezar disse a VEJA que “alguém hackeou” seu computador . O aparelho, segundo ele, fica dentro de sua sala e só ele tem a senha de acesso. A Justiça, porém,  não acreditou na história do petista.

Continua após a publicidade

A juíza Camile Santos de Souza Siqueira concluiu que a filiação de Moro foi realizada “mediante fraude”, cancelou a ficha e determinou o descredenciamento de Claudio Cezar de Matos como usuário do sistema Filia, do TSE. Segundo ela, “as convicções políticas de Sergio Moro são opostas às defendidas pelo Partido dos Trabalhadores”.

claudio cezar

Claudio Cezar: responsável pela entrada  de Sergio Moro no PT.

A “adesão” de Moro ao PT não impediria o ex-juiz de ingressar em outro partido, uma vez que, em caso de coexistência de mais de uma filiação, prevalece a mais recente.

Sergio Moro, que vai disputar a eleição pelo Podemos,  soube que era o mais novo correligionário do ex-presidente Lula quando ainda morava nos Estados Unidos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês