Clique e assine a partir de 8,90/mês

Rosa Weber decide até quarta-feira que vem sobre CPI

Parlamentares de oposição estiveram nesta terça-feira com ministra do STF para defender comissão parlamentar exclusiva sobre a Petrobras

Por Gabriel Castro, de Brasília - 15 abr 2014, 17h37

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que vai anunciar apenas na terça-feira ou quarta-feira da semana que vem sua decisão sobre a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras no Senado.

Na tarde desta terça-feira, a ministra do Supremo recebeu o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), o líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), e o presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN). O trio tentou convencer a ministra de que aceitar a CPI ampla, com temas desconexos, é esvaziar a razão de ser de uma comissão parlamentar de inquérito.

A ministra analisa um mandado de segurança apresentado por parlamentares de oposição para garantir que o Senado instale a CPI que pretende investigar apenas irregularidades na companhia petrolífera.

A disputa surgiu quando a base aliada resolveu recolher assinaturas para criar uma CPI que incluísse não apenas a Petrobras, mas também o caso do cartel no metrô paulista e as denúncias envolvendo o Porto de Suape, em Pernambuco. O objetivo é atingir PSDB e PSB e, assim, esvaziar a investigação.

Leia também:

Renan diz ao Supremo que CPI ampla é a melhor opção

Continua após a publicidade

Operação na Petrobras justifica CPI, diz oposição

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), resolveu incorporar uma CPI à outra, com o argumento de que a comissão mais ampla deveria prevalecer. Na prática, ele impediu a existência de uma comissão para investigar apenas a Petrobras.

Aos parlamentares, a ministra disse que vai tomar sua decisão assim que o Supremo Tribunal Federal retornar do feriado de 21 de abril.

“O assunto Petrobras é muito grave, mas o que está sendo decidido pelo supremo tem uma dimensão muito maior”, disse Aécio Neves após o encontro. José Agripino Maia se disse confiante: “Acho que a ministra entendeu perfeitamente que, se essa liminar não for concedida, o instituto da CPI perde sentido”, disse o presidente do DEM.

A discussão deve prosseguir nas próximas semanas porque dois requerimentos que pedem a instalação de Comissões Mistas Parlamentares de Inquéritos (CPMIs) devem ser lidos em sessão do Congresso. Isso pode gerar um embate idêntico ao gerado com as CPIs propostas no Senado.

Continua após a publicidade
Publicidade