Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Renan diz ao Supremo que CPI ampla é a melhor opção

Presidente do Senado afirma que comissão única sobre Petrobras, Metrô de SP e Porto de Suape (PE) seria mais eficiente e evitaria "possível descoordenação"

Por Da Redação - 14 abr 2014, 21h41

Em documentos enviados nesta segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que respeitou o direito das minorias parlamentares ao defender a criação de uma CPI ampla para investigar suspeitas de irregularidades na Petrobras, além das suspeitas de formação de cartel em concorrências do Metrô de São Paulo e irregularidades em contratos do Porto de Suape e de uma refinaria, em Pernambuco.

A manifestação de Renan Calheiros havia sido solicitada na semana passada pela ministra do STF Rosa Weber. Ela terá de decidir nos próximos dias sobre os pedidos de investigação feitos por parlamentares de oposição e governistas. Os oposicionistas querem instalar uma CPI exclusiva para apurar suspeitas de irregularidades na Petrobras. A base aliada da presidente Dilma Rousseff manobra para incluir temas sensíveis ao PSDB de Aécio Neves e ao PSB de Eduardo Campos.

“Uma vez que no mesmo momento dois grupos de senadores optam por investigar certos fatos, conseguindo assinaturas para instauração de CPIs, e que vários destes fatos são comuns, a reunião de todos estes fatos e a criação de uma CPI mais ampla seria mais serviente do princípio constitucional da eficiência no âmbito do processo legislativo do que a existência de duas CPIs investigando os mesmos fatos, com possível descoordenação entre as investigações, repetição desnecessária de feitos, etc.”, afirmou Renan Calheiros.

Não há previsão de quando Rosa Weber decidirá os pedidos de liminar feitos por senadores da base aliada e da oposição.

Publicidade

Leia também:

Operação na Petrobras justifica CPI, diz oposição

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade