Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Renan apoia Gilmar, critica vazamentos e se diz injustiçado

O líder do PMDB no Senado fez discurso em que afirma que inquéritos são instaurados 'sem um fiapo de prova' e que investigações criam 'cenário de medo'

Por Da Redação Atualizado em 23 mar 2017, 09h49 - Publicado em 23 mar 2017, 09h46

Em discurso realizado nesta quarta-feira, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), criticou o que chamou de vazamentos “seletivos” realizados no âmbito da Operação Lava Jato. Ele apoiou a dura fala do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, a respeito da questão e se disse vítima de preconceito e perseguição por parte do Ministério Público Federal (MPF).

As declarações de Renan ocorreram em meio à expectativa de ser levantado o sigilo das delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht no STF, que serviram de base para a chamada “lista do Janot” – relação de pedidos de investigação apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot –, na qual ele está citado. “Perplexo percebo seguidas tentativas de me jogar num ambiente de manipulação, vazamentos, embustes e publicidades opressivas. Onde se multiplicam inquéritos instaurados sem um fiapo de prova, a partir de meras alusões mentirosas e irresponsáveis de alguns delatores”, criticou o senador.

O discurso também ocorreu um dia após ser deflagrada a Operação Satélite da Polícia Federal, que teve como alvos pessoas ligadas ao peemedebista e aos senadores Eunício de Oliveira (PMDB-CE), Valdir Raupp (PMDB-RO) e Humberto Costa (PT-PE) e o governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB).

Apesar de defender as delações e se dizer favorável às investigações, Renan considerou que os métodos adotados atualmente têm como objetivo a intimidação dos acusados. “A estratégia dos órgãos repressores é erguer cenário de medo a partir da prisão preventiva para obter colaboração supostamente voluntária de investigado e depois de vazadas seletivamente para a mídia. É sempre o mesmo caminho”, criticou.

“Denuncismo”

O líder do PMDB disse que vários juristas vêm demonstrando preocupação com o “denuncismo e desinformação”. Ele destacou as declarações feitas pelo ministro Gilmar Mendes de que o conteúdo vazado poderá deixar de servir como prova. No mesmo discurso, o titular do STF também insinuou que o responsável pelos vazamentos seria a Procuradoria-Geral da República, o que suscitou reações de Janot.

“Em qualquer lugar do mundo civilizado, se uma delação vazar, como no Brasil, ela estará automaticamente desfeita. Foi isso que o ministro Gilmar Mendes chamou a atenção. Esses vazamentos seguidos a que objetivam? Será que são propositais para anular as provas? O Supremo não pode conviver com isso, tem que pôr um limite”, defendeu.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)