Clique e assine com 88% de desconto

Relator diz que Dirceu foi blindado na CPI dos Correios

Osmar Serraglio afirma que o ex-ministro da Casa Civil contava com uma "tropa de choque" formada por colegas do PT que barrava qualquer iniciativa

Por Da Redação - 26 jul 2012, 08h32

Relator da CPI dos Correios, investigação parlamentar ocorrida entre 2005 e 2006 que embasou a denúncia formal do mensalão, o deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR) afirma que muitas provas do escândalo não foram produzidas por causa da “blindagem” a José Dirceu. O peemedebista afirma que o ex-ministro da Casa Civil contava com uma “tropa de choque” formada por colegas do PT que barrava qualquer iniciativa.

“Faltou muita coisa, muito do que eles ficam batendo agora que �não tá provado isso, não tá provado aquilo� é porque a gente estava amarrado, não tínhamos liberdade”, contou o deputado. “Hoje, por exemplo, o José Dirceu fala que ele não tem nada a ver com isso. Nós poderíamos ter feito provas muito mais contundentes em relação à evidente ascendência que ele tinha”.

O advogado José Luis de Oliveira Lima, que representa José Dirceu, rebateu as afirmações de Serraglio sobre a limitação que a CPI dos Correios teria enfrentado para produzir provas contra os envolvidos no escândalo do mensalão. “As declarações do deputado são infelizes e só demonstram a total falta de conhecimento dos autos”, afirmou o advogado.

Oliveira disse ainda que Dirceu “nunca foi blindado” porque teve seus sigilos telefônico, fiscal e bancário quebrados “sem que nada ficasse provado contra ele”. O defensor finalizou com o argumento de que “foram colhidos mais de 500 depoimentos durante a ação penal do caso. E todos o inocentam das acusações”.

Publicidade

Dirceu nega ter havido compra de apoio no Congresso Nacional durante o governo Lula. Diz que houve apenas caixa 2 para pagar dívidas de campanha.

(Com Agência Estado)

Publicidade