Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PSDB quer vetar ciclovia de Haddad na Avenida Paulista

Órgão de proteção ao patrimônio disse que obras requerem seu aval pois ciclovia passaria em frente ao MASP; projeto é 'delirio autoritário', diz senador

O PSDB quer barrar o atual projeto de implantação da ciclovia da Avenida Paulista. Dois pesos pesados do partido atacaram nesta quarta-feira o plano do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) – o vereador Andrea Matarazzo e o senador Aloysio Nunes Ferreira. Através de sua conta no Twitter, o senador chamou a decisão de Haddad de entregar 400 quilômetros de ciclovias até 2015 de “delírio autoritário”.

No fim da tarde de quarta, o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) – órgão estadual vinculado à gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) – divulgou uma nota informando que a implantação da ciclovia na Avenida Paulista pretendida por Haddad depende de seu aval. O órgão técnico afirmou que a faixa passará em uma área próxima ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), que é tombado. Por isso, qualquer intervenção em uma área de 300 metros a partir do Masp deve ser submetida ao conselho.

Ainda segundo a nota, o Condephaat “tem como prática analisar com prioridade os projetos de interesse público” que nenhuma proposta de intervenção sofrerá atraso por estar inserido em área de bem tombado.

Leia também:

Obra de ciclovia na Paulista será concluída só em 2015

Na terça, em encontro de representantes dos órgãos municipal e do estadual de proteção ao patrimônio, o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental (Conpresp) e o Condephaat, ficou decidido que a ciclovia não seria submetida a uma reunião ordinária do Conpresp. Segundo o Departamento de Patrimônio Histórico da prefeitura, quando uma obra não interfere nos aspectos históricos do elemento tombado, não se faz necessário submetê-la à aprovação no Conpresp.

“Portanto, a ciclovia da Paulista já tem a nossa anuência”, afirma a arquiteta Nádia Somekh, diretora do departamento e presidente do Conpresp. Após o aval do órgão, a gestão Haddad divulgou nesta terça a versão final de seu projeto para a ciclovia. Ao custo de 15 milhões de reais, ela será feita no canteiro central da Paulista.

Câmara – Na Câmara Municipal, em reunião da Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente, o vereador Andrea Matarazzo (PSDB) pediu que as Secretarias de Planejamento e de Transportes apresentem os projetos de criação de ciclofaixas. O tucano disse não ser contra as faixas reservadas mas criticou a forma como elas vêm sendo implantadas na cidade.

Para ele, há falta de projetos e de planejamento. “É preciso estudo técnico para que ela seja criada. Não pode ser essa panaceia, em que se faz de tudo para os ciclistas e se esquece dos carros.” O vereador critica o uso do canteiro central da Paulista, considerado “essencial para a segurança de pedestres e motoristas”.

(Com Estadão Conteúdo)