Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

PSC mantém pastor na Comissão de Direitos Humanos

Executiva Nacional e bancada do PSC reafirmaram que o deputado-pastor seguirá no comando da comissão; presidente da Câmara quer a renúncia

Por Marcela Mattos 26 mar 2013, 17h00

Pressionado pelo presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), o PSC reafirmou nesta terça-feira que manterá o deputado-pastor Marco Feliciano (SP) à frente da Comissão de Direitos Humanos da Casa. Em anúncio feito pelo vice-presidente da legenda, Everaldo Pereira, a bancada e a Executiva Nacional do PSC defenderam a permanência de Feliciano no cargo.

Na semana passada, dirigentes do PSC combinaram com o presidente da Casa que buscariam uma solução para o impasse. O prazo estipulado por Alves, que classificou a manutenção de Feliciano no posto como “insustentável”, terminava nesta terça-feira. No entanto, Feliciano se mantém irredutível.

Após a reunião desta terça, que durou pouco mais de uma hora, a bancada justificou a permanência de Feliciano com base em um histórico da aliança com o PT, que agora pressiona pela saída do pastor do cargo. Os dirigentes do PSC argumentaram que já apoiaram o PT em diversas eleições, incluindo a presidente Dilma Rousseff, em 2010.

Com base no memorial, o vice-presidente argumentou que a legenda “não segrega, não exclui e não discrimina ninguém”. Everaldo Pereira também saiu em defesa de Feliciano, criticado por grupos ligados ao movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) e por parlamentares do PT e do PSOL. “Qualquer um pode deslizar nas palavras, pode errar. Informamos que o PSC não abre mão da indicação.”

Feliciano acompanhou a reunião e não quis dar entrevistas. Questionado se permanecerá no comando da comissão, limitou-se a dizer: “É só olhar o meu rosto”.

Continua após a publicidade

Informado da decisão do PSC de manter Feliciano no cargo, Henrique Alves ficou surpreso. “Não era essa a indicação da semana passada.” Declaradamente favorável à renúncia de Feliciano, o presidente da Câmara esperava outro posicionamento da executiva do partido. “A indicação era buscar uma solução que harmonizasse a Casa e a sua Comissão de Direitos Humanos.”

No fim da noite, em uma reunião de líderes dos partidos convocada pelo presidente da Câmara, ficou decidido que será feito um convite a Feliciano para uma reunião na terça-feira, às 11 horas. Se comparecer, será a primeira vez que Feliciano se reúne com os líderes desde que começou o impasse.

Entrevistas: “A união homossexual não é normal”, diz Feliciano

Feliciano afirma que africanos são acompanhados por maldição

Atualizado às 22h03

Continua após a publicidade
Publicidade