Clique e assine a partir de 9,90/mês

Próximas prisões de mensaleiros devem ser feitas em bloco

Presidente do Supremo Tribunal Federal deverá esperar parecer do procurador-geral da República sobre condenados; sete mensaleiros podem ser presos

Por Laryssa Borges - 4 Dec 2013, 15h13

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, pretende aguardar todos os pareceres do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, antes de determinar as próximas prisões dos condenados no escândalo do mensalão. Onze mensaleiros já cumprem pena no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. Outros sete condenados podem ser presos assim que forem expedidas as ordens de prisão, entre eles o delator do esquema, Roberto Jefferson, e os deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT).

Janot ainda não opinou sobre os casos de Jefferson e Henry. Nesta terça-feira, o procurador-geral encaminhou ao STF pareceres em que defende a perda dos mandatos dos deputados Valdemar Costa Neto e João Paulo Cunha (PT-SP). Nos textos, porém, Janot não discute a prisão dos dois deputados.

No caso de Jefferson, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) deve encaminhar laudo em que analisa as condições de saúde do condenado, já que ele foi diagnosticado com câncer de pâncreas.

A ideia de Barbosa é determinar a prisão dos últimos mensaleiros em bloco. O entendimento de magistrados do Supremo é que até Valdemar poderá começar a cumprir pena, mesmo tendo o direito de questionar a perda do mandato parlamentar por meio de embargos infringentes.

Continua após a publicidade

Leia também:

Continua após a publicidade

Roberto Jefferson passa por exames no Inca, no Rio de Janeiro

Bispo Rodrigues e Pedro Corrêa tentam habeas corpus para evitar prisão

Genoino renuncia ao mandato para evitar cassação

Continua após a publicidade

ter revelado

um laranja

“É uma questão que precisa ser analisada com cautela pela Vara de Execuções Penais, certamente em entendimento com a relatoria aqui do processo no Supremo Tribunal Federal. Tem que haver bastante cautela por parte de quem decide para que não ocorram abusos”, disse o ministro Gilmar Mendes. Mais cedo, o ministro Marco Aurélio Mello disse que “não vê o caso com bons olhos”.

Leia também:

Continua após a publicidade

‘Não vejo com bons olhos’, diz ministro do STF sobre empregador de Dirceu

Auxiliar panamenho preside empresa que empregará Dirceu

Publicidade