Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Protesto na Alerj cobra solução para sumiço de Amarildo

Pedreiro desapareceu no dia 14 de julho. Caso já é tratado como homicídio, mas a polícia investiga se o crime foi cometido por policiais ou traficantes

Por Da Redação 13 ago 2013, 19h07

A ONG Rio de Paz realizou nesta terça-feira, um ato para cobrar uma solução para o sumiço, há quase um mês, do pedreiro Amarildo de Souza. O protesto ocorreu em frente à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), antes de uma audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos da Casa para discutir os casos de desaparecimentos não esclarecidos no estado.

O grupo colocou nas escadarias do Palácio Tiradentes, sede da Alerj, dois manequins sujos de tinta vermelha, simbolizando sangue. Um dos bonecos foi colocado em meio a pneus para representar um “micro-ondas”, no qual vítimas têm o corpo incendiado. No Rio, a prática é comum em favelas dominadas pelo tráfico de drogas. Dezoito atores, também sujos de tinta vermelha, fizeram uma encenação no local.

Amarildo está desaparecido desde a noite de 14 de julho, quando foi conduzido por policiais militares de sua casa até à sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Favela da Rocinha, na zona sul do Rio.

Leia também:

Leia também: Em gravação, traficante diz ter matado Amarildo para incriminar policial

Continua após a publicidade

Casos – Presidente do Rio de Paz, Antônio Carlos Costa destacou que o número de desaparecidos no Estado do Rio vem subindo ano a ano. “Há milhares de Amarildos por aí. Cerca de 35.000 pessoas sumiram de 2007 a 2013 no estado. Queremos uma pesquisa para saber quantos desses desaparecidos foram assassinados. O Rio está repleto de locais de desova e cemitérios clandestinos. Os rios que deságuam na Baía de Guanabara estão repletos de cadáveres. O caso do Amarildo chamou a atenção para o fenômeno, que deveria causar indignação nas autoridades”, afirmou Costa.

A mulher de Amarildo, Elizabete Gomes da Silva, participou da audiência pública, e disse ter certeza que o pedreiro está morto. “Não tenho mais esperança… Meu marido nunca saiu de casa. A última que ele disse antes de sumir foi: ‘Bete, meus documentos estão com aquele policial’… e entrou na viatura da PM. Só queremos saber onde ele está”.

Leia também:

Polícia vai reconstituir últimos passos do pedreiro Amarildo

Beltrame diz que é cedo para culpar a PM​

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)