Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Promotor Conserino diz estar ‘perplexo’ com insultos de Lula

Ele foi responsável por denunciar e pedir a prisão preventiva do ex-presidente. Promotores apostam que Sergio Moro vai devolver processo à Justiça de SP

Por Da Redação 14 mar 2016, 16h08

Alvo de insultos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em depoimento à Polícia Federal, o promotor de Justiça Cássio Conserino afirmou ao site de VEJA que está “perplexo” com as palavras do petista. “A palavra é perplexidade. Posso resumir em uma palavra o que disseram em relação a minha esposa e minha mãe: perplexo, perplexo, só isso”, repetiu o promotor.

Conserino afirmou que tomou conhecimento apenas nesta segunda-feira do conteúdo do depoimento de Lula, prestado no dia 4 de março, no Aeroporto de Congonhas (SP). A Justiça Federal liberou nesta manhã a transcrição da oitiva na íntegra. Lula depôs à força-tarefa da Operação Lava Jato. O ex-presidente chamou o promotor de “moleque”, disse que ele deveria ser “preso pela PF” e ainda instou a força-tarefa a intimar “a mulher e a mãe do promotor” a depor sobre a propriedade do tríplex no Guarujá (SP), reformado para o petista pela empreiteira OAS, sucessora da cooperativa Bancoop, ligada ao PT.

Leia mais:

À PF, Lula ataca promotor que o denunciou: ‘Mande prendê-lo’

Lula ironiza tríplex: ‘Era pequeno, tipo Minha Casa Minha Vida’

Na semana passada, Conserino denunciou criminalmente Lula, a ex-primeira-dama Marisa Letícia e o filho mais velhos deles, Fábio Luís, o Lulinha. Ele também pediu a prisão preventiva do ex-presidente, acusado de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro (ocultação de patrimônio). O caso agora foi remetido para as mãos do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, porque a Justiça paulista entendeu que os crimes já estavam em apuração na Lava Jato e são de esfera federal.

O site de VEJA apurou que os promotores de São Paulo, que investigam desmandos na Bancoop desde 2007, apostam que Moro “vai devolver os autos” à esfera estadual. Também trabalham na investigação os promotores José Carlos Blat e Fernando Henrique de Moraes Araújo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)