Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Prisão espera Lula, diz Doria; novela não acabou, afirma Alckmin

Para o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), decisão tira credibilidade da eleição para presidente; Rodrigo Maia (DEM-RJ) acha que não há o que comemorar

Políticos de diversos políticos comentaram a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), que condenou por unanimidade o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP). Enquanto a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, criticou a decisão, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), comemorou a sentença e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) mostrou prudência.

Gleisi chamou o julgamento de farsa e disse que os votos dos desembargadores estavam ‘claramente combinados’. “Vamos confirmar a candidatura de Lula na convenção partidária e registrá-la em 15 de agosto, seguindo rigorosamente o que assegura a legislação eleitoral. Se pensam que história termina com a decisão de hoje, estão muito enganados, porque não nos rendemos diante da injustiça”, afirmou em nota.

Alckmin, que é pré-candidato a presidente da República, concorda com a petista que o encerramento do caso está longe. “Talvez não termine hoje essa novela, porque cabe recurso”, apontou o governador em publicação no seu perfil no Twitter. Ele disse que o foco, entretanto, não deve ser a impugnação ou não de uma eventual candidatura de Lula pela Lei da Ficha Limpa. “O importante não é se preocupar com adversário, é se preocupar com eleitor. Quem vai decidir a eleição é o povo.”

Também pré-candidato ao Planalto, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) afirmou que a confirmação da sentença contra Lula na segunda instância vai gerar ‘indecisão’ no processo eleitoral. Segundo ele, mesmo que justa, a condenação prejudica a credibilidade da disputa. “A primeira consequência é a indecisão. Vamos participar sem saber quem são os candidatos, quais vão chegar até o final, quais candidatos serão cassados ou não. A segunda é a credibilidade. É óbvio que gera uma perda de credibilidade no processo eleitoral se o candidato que tem mais prestígio neste momento nas pesquisas, e até pela sua história, sai por razões jurídicas, mesmo que em um julgamento justo”, disse.

Questionado se considerava a decisão justa, Cristovam disse ser preciso respeitar a decisão. “Não cabe a mim dizer se foi justo ou não. A hora que nós não respeitarmos a Justiça, dizendo que não foi justo, a democracia é colocada em xeque”, afirmou.  Buarque também defendeu o direito de o ex-presidente recorrer a instâncias superiores para se manter na disputa pelo Planalto. “É direito dele ser candidato sub judice. Se eu respeito a Justiça, tenho que respeitar que o ex-presidente Lula entre na Justiça e peça para continuar como candidato mesmo depois de condenado. A lei permite”, disse.

O líder do PT no Senado, Lindberg Farias, disse que o país não vive mais em uma democracia e que “estão tentando tirar um representante do povo” das eleições. No ato na praça da República, o parlamentar afirmou que o PT vai derrotar o golpe com a “rebelião social” e pela “desobediência civil”.

Doria comemorou nas redes sociais. “O Brasil do bem celebra esse momento histórico. A Justiça está se cumprindo. A prisão aguarda em breve Luiz Inácio Lula da Silva. Essa corajosa decisão da justiça é um golpe duríssimo no PT e ajuda a fortalecer a esperança de um país mais justo e sem corrupção”, escreveu o prefeito.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que também ensaia disputar a Presidência da República, disse que que “quem tem responsabilidade pública, em qualquer nação, não pode estar celebrando o dia de hoje”. Em nota, ele afirmou que “o melhor foro de enfrentamento de teses diferentes é a campanha eleitoral”. “Nela, o veredito é dado pelas urnas. Mas a campanha não começou, e quem se pronunciou hoje foi o Poder Judiciário. É necessário ouvi-lo e respeitá-lo. […] Toda e qualquer manifestação em relação à sentença proferida hoje, em Porto Alegre, deve respeitar a ordem institucional.”

PT

“Recebemos com muita perplexidade esse resultado”, afirmou o senador Jorge Viana (PT-AC). “Fico chocado de ver essa caçada contra Lula. Não é possível que um tribunal tenha se partidarizado dessa forma”, disse.

Para o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), Lula é o único nome capaz de “pacificar” o país. “Se tem uma liderança capaz de estar à frente da pacificação política no Brasil, de dar estabilidade às instituições e garantias à economia é Lula.”

“Muita gente se emocionou”, contou o senador Humberto Costa (PT-PE), sobre o clima entre petistas após a decisão do TRF4. “Mas vamos até as últimas consequências com o nome de Lula. Se houver impugnação, isso deve acontecer por volta de setembro”, afirmou.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Admirou-me negativamente o pensamento de Christovao Buarque. Ora, seu Buarque, é um corrupto a menos concorrendo. Isso não é de muito valor?

    Curtir

  2. Engraçado , o Bolsonaro , primeiro na pesquisa eleitoral, não foi comentado sua opinião ? Porque será ?

    Curtir

  3. Antonio Plais

    Completando minha opinião anterior: diferente do que expressou o Sr. Cristóvão Buarque, o impedimento de um condenado em Segunda Instância aumenta a legitimidade das eleições, e não o contrário. Apenas sinto que foro privilegiado para crimes comuns, contra o bem público (corrupção) ou anteriores ao mandato ainda não tenha sido extinto… esse sim, seria o início do processo de sanitização da política brasileira.

    Curtir

  4. Parece que esqueceram a lei da Ficha limpa assinada por Lula! Esses políticos estão é com medo de irem junto em cana!

    Curtir

  5. o cara cometeu varios crimes, sem essa de ser candidato, merece é cana

    Curtir