Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Presidenciáveis reagem contra fala homofóbica de Fidelix

Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves repudiaram a declaração do nanico; PV pediu que Ministério Público abra inquérito para apurar crime

Por Da Redação 29 set 2014, 21h24

A fala homofóbica de Levy Fidelix (PRTB) durante o debate na TV Record, neste domingo, provocou reações dos principais candidatos à Presidência da República. Nesta segunda, Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB) criticaram a fala do folclórico candidato do Aerotrem, que associou homossexualidade a pedofilia.

Durante agenda em São Bernardo do Campo (SP), Aécio Neves classificou a fala como lamentável. “Nosso repúdio absoluto àquelas declarações. E como já disse mais de uma vez, na minha avaliação, todo tipo de discriminação é crime. Homofobia também.”

Em entrevista coletiva em São Paulo, Dilma usou o episódio para se posicionar a favor da criminalização da homofobia. “Eu já disse que sou contra a homofobia e acho que o Brasil atingiu um patamar de civilidade que não podemos conviver com processos de descriminalização que levem à violência. Eu acho que a homofobia tem de ser criminalizada”, afirmou.

A candidata do PSB, Marina Silva, considerou “homofóbicas e inaceitáveis em quaisquer circunstâncias” as declarações de Levy Fidelix e disse que sua Rede Sustentabilidade avalia entrar com ação na Justiça contra o candidato. “Não aceitamos em hipótese alguma atitude que incita ao preconceito, desrespeito, violência contra comunidade LGBT ou qualquer que seja”, disse.

Punição – O Partido Verde protocolou nesta segunda-feira uma representação contra Levy Fidelix. A representação, feita a pedido de Eduardo Jorge, candidato do partido à Presidência da sigla, pede que o MP abra um inquérito contra Fidelix para apurar desrespeito à dignidade humana. Também nesta segunda, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e o PSOL entraram com representações contra Fidelix no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pedindo que o candidato nanico seja punido por homofobia. A OAB também pede a cassação da candidatura do presidenciável.

Continua após a publicidade
Publicidade