Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Prefeitura recua e desiste de fechar vias expressas das marginais

Prefeito Fernando Haddad disse que não sabia do projeto e solicitou os estudos apontados pelo secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, que teriam baseado a decisão

Sete horas depois de o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, dizer que a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estuda fechar as pistas expressas das marginais do Pinheiros e do Tietê entre a meia-noite e as 5 horas – medida que começaria a valer ainda este ano -, a prefeitura de São Paulo voltou atrás e interrompeu a implementação da proposta. Na manhã desta quinta-feira, Tatto afirmou em uma coletiva de imprensa se tratar de “uma medida de segurança” para reduzir os acidentes fatais. O fechamento, ainda de acordo com o secretário, seria possível porque durante as madrugadas “não tem demanda”. “Não tem demanda [de veículos]. Ajuda na segurança porque é o momento que os motoristas usam para correr muito, causa muitos acidentes, caminhões principalmente”, explicou Tatto.

Leia mais:

MP investiga redução de velocidade nas marginais

Quando o secretário de transportes anunciou a medida, o prefeito Fernando Haddad (PT) estava em uma agenda pública em São Miguel Paulista, na Zona Leste de São Paulo. Lá, ele foi questionado sobre o projeto e se mostrou surpreso, dizendo não ter os estudos da CET. “Ele [Tatto] falou que está em elaboração? Não chegou ao meu conhecimento. Estou ouvindo por você”, respondeu o prefeito. Antes da coletiva com Haddad, a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo voltou a falar com o secretário por telefone, que deu detalhes sobre o projeto piloto. Tatto explicou que os testes foram realizados em três dias e que a ideia seria colocada em prática se “não causasse transtornos e aumentasse a segurança [do trânsito]”. A companhia fez testes de fechamento das pistas expressas antes da implementação das novas velocidades das Marginais.

Ao longo da tarde, o prefeito entrou em contato com o secretário e solicitou os estudos. Os dados estão sob análise do gabinete de Haddad. Na tarde desta quinta, a CET e a Secretaria Municipal de Transportes, por meio de nota, esclareceram que a prefeitura “está concentrada, exclusivamente, no monitoramento dessas novas velocidades e estão descartados futuros fechamentos.” Dentro do Edifício Matarazzo, sede da prefeitura de São Paulo, a decisão de Haddad de barrar a medida anunciada por Tatto foi considerada um “acerto de timing”.

Embora a medida tenha sido apresentada como ação para reduzir os acidentes de trânsito, estudo de Segurança Viária da própria CET, usado como base para a política de redução dos limites de velocidade executada pela gestão Haddad, mostra que, dos 625 acidentes registrados na Marginal do Tietê em 2013, 522, ou 83,5%, foram fora da madrugada, entre 6 horas e 22 horas. Também a maior parte das mortes, 23 das 35 ocorrências, também ocorreram fora dos horários em que a prefeitura estuda implementar essa nova restrição.

(Com Estadão Conteúdo)