Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Por ‘pente-fino’ contra petistas, Onyx exonera comissionados da Casa Civil

Medida anunciada pelo ministro ontem foi publicada nesta quinta no Diário Oficial. Funcionários serão entrevistados para possível recontratação

Por João Pedroso de Campos, de Brasília - Atualizado em 3 jan 2019, 11h06 - Publicado em 3 jan 2019, 10h40

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, oficializou nesta quinta-feira, 3, as exonerações e dispensas de cerca de 320 servidores da pasta anunciadas por ele ontem. Publicada no Diário Oficial da União, a portaria atinge todos os funcionários que foram nomeados até 2018 para cargos em comissão ou funções de confiança até o nível 6 do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores (DAS) do ministério.

Não foram afetados pela portaria os servidores da Subchefia para Assuntos Jurídicos e na Imprensa Nacional, responsável pela publicação do Diário Oficial, os ocupantes de cargos de natureza especial e os indicados a partir de 2019, após a posse do presidente Jair Bolsonaro.

Nesta quarta-feira, depois de assumir como ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni afirmou que as exonerações se destinam a “despetizar” o governo.

“Isso faz parte um pouco daquela frase que o presidente Bolsonaro dizia na campanha, fazer a despetização do governo federal. E amanhã na reunião ministerial eu vou sugerir que os ministros possam também seguir neste caminho”, disse Onyx. Bolsonaro e sua equipe ministerial estão reunidos no Palácio do Planalto desde as 9h desta quinta.

Publicidade

Segundo o ministro, os servidores que forem exonerados e quiserem continuar no governo serão entrevistados pela equipe da pasta para que se verifique se foram indicados nos governos dos ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT, e haja certeza de que estão alinhados ao projeto de Bolsonaro

“Para não sair caçando bruxa, primeiro a gente exonera e depois a gente conversa”, afirmou Onyx. “O governo é novo, veio um novo Brasil. Ou afina com a gente, ou troca de casa. É simples assim”, completou o ministro, que estipulou em duas semanas o prazo para reconstituir a equipe.

Publicidade