Clique e assine a partir de 8,90/mês

Por Bolsonaro, PSL lança candidaturas próprias em treze estados

Em 2014, partido só disputou o governo de um estado; candidaturas têm a função de ajudarem na divulgação regional do deputado

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 8 ago 2018, 15h49 - Publicado em 8 ago 2018, 13h52

Em articulação para reforçar a campanha presidencial do deputado Jair Bolsonaro, o PSL lançou 13 candidatos próprios a governador nas eleições deste ano. O partido terá nomes no Acre, em Alagoas, no Amapá, no Ceará, no Espírito Santo, no Maranhão, no Paraná, no Piauí, em Rondônia, em Roraima, em Santa Catariana, em Sergipe e no Tocantins.

A estratégia do PSL é aumentar a exposição de Bolsonaro não só em eventos nos estados, mas nos programas de TV e rádio durante o horário eleitoral. O partido, cujo registro foi obtido em 1998, não tem tradição de disputar governos estaduais e lançou apenas um candidato em 2014 – o advogado Araken Filho, derrotado com 0,9% dos votos no Rio Grande do Norte.

A falta de palanques regionais era uma fragilidade da candidatura do capitão da reserva do Exército. Ele recebe apoios informais de candidatos a governador de diferentes partidos no Distrito Federal, em Goiás, em Mato Grosso, em Roraima e no Pará.

Bolsonaro tem apenas um partido coligado a sua chapa, o PRTB, que indicou o general da reserva do Exército Hamilton Mourão para vice. A cúpula do PSL ainda verificava ontem se o acordo com o PRTB poderia modificar os palanques pró-Bolsonaro. A maioria das treze chapas do PSL será ‘puro-sangue’.

O palanque mais forte é o do deputado federal Carlos Manato, no Espírito Santo, que une PSL, PR e PRB. O vice é o empresário do ramo de autopeças Rogério Zamperlini, também do PSL. Quarto suplente da Mesa da Câmara, Manato disse que decidiu arriscar a reeleição para o parlamento “por amor” a Bolsonaro.

“Eu fiz um sacrifício do meu mandato por ele. Ninguém queria coligação. Eu sou kamikaze Bolsonaro. Tenho amor a Bolsonaro e à causa”, disse Manato. Ele calcula que terá 1 minuto e meio de propaganda para ele e Bolsonaro na TV.

Continua após a publicidade
Publicidade