Clique e assine a partir de 9,90/mês

Polícia prende 7 black blocs em protesto contra a Copa

Grupo mascarado carregava bombas caseiras e martelos durante protesto contra a Copa; também há protestos em Brasília, no Rio e em Minas

Por Da Redação - 15 Maio 2014, 19h21

(Atualizada às 21h10)

A Polícia Militar prendeu sete black blocs na noite desta quinta-feira durante protestos contra a realização da Copa do Mundo, na região da Avenida Paulista, em São Paulo. Segundo a PM, um grupo de vinte mascarados foi detido – desses, sete foram levados para o 78º Distrito Policial (Jardins) por dano ao patrimônio e por carregar bombas caseiras e martelos na mochila.

No início da noite desta quinta, cerca de 1.200 manifestantes se reuniram na Praça do Ciclista com panfletos e faixas contra o Mundial. A Avenida Paulista foi completamente interditada por duas horas no sentido Consolação.

Por volta das 19h15, alguns vândalos encapuzados depredaram vidraças, montaram barricadas com sacos de lixo incendiados e picharam calçadas. Uma loja da Hyundai foi destruída. A polícia usou bombas de efeito moral para tentar dissipar os baderneiros.

Continua após a publicidade

Mais cedo, uma manifestação organizada por professores da rede municipal de São Paulo seguiu da Vila Mariana, na Zona Sul de São Paulo, em direção ao prédio da Prefeitura, na região central da capital. A marcha interditou totalmente a Avenida 23 de Maio, no sentido centro, e reuniu cerca de 5.000 pessoas, segundo a PM.

Leia também:

Protestos de sem-teto interditam vias em São Paulo

Rio – No Rio de Janeiro, três manifestações começaram no fim da tarde. Depois de votar pela continuação da greve iniciada na segunda-feira, cerca de 800 professores caminharam até a Central do Brasil, onde um grupo já protestava contra a Copa do Mundo. Os rodoviários, que reivindicam melhores condições de trabalho e aumento de salário, desistiram de fazer uma nova paralisação nesta semana, mas também organizaram um ato no Centro. Antes, porém, de se aproximar dos dois outros grupos, liderados por dezenas de mascarados, decidiram se dispersar. Lideranças do movimento disseram que não são contra a realização do Mundial e preferiram evitar um possível tumulto.

Continua após a publicidade

Em Brasília, um grupo de 150 pessoas marchou da rodoviária até o estádio Mané Garrincha, palco de jogos da Copa. Não houve registro de confusão.

Publicidade