Polícia Civil ouve ex-funcionários de Marielle em linha que envolve Carlos

Vereadores tiveram uma discussão em 2017 e, desde então, Carlos passou a evitar Marielle ou integrantes de sua equipe

Por Leandro Resende - Atualizado em 1 nov 2019, 06h24 - Publicado em 1 nov 2019, 06h00

A reportagem desta semana de VEJA revela detalhes de uma nova linha de investigação perseguida pela Polícia Civil para tentar elucidar o homicídio da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Dessa vez, o foco é sobre eventuais desdobramentos de uma briga de um assessor de Marielle com o vereador Carlos Bolsonaro (PSC).

Em maio de 2017, um assessor de Marielle andava pelo corredor mostrando o prédio da Câmara de Vereadores a dois amigos quando, em frente ao gabinete 905, de Carlos, comentou que ali ficava o filho de um deputado “ultraconservador” que beirava o “fascismo”. O Zero Dois ouviu tudo e, aos berros, começou a discutir, até que Marielle apareceu, colocando panos quentes. Desde a briga, Carlos passou a evitar até entrar no elevador se Marielle ou assessores dela estivessem presentes. VEJA apurou que a Polícia Civil do Rio voltou a se debruçar sobre essa velha história neste mês. Pelo menos quatro ex-­funcionários de Carlos foram ouvidos até agora. Mas mesmo adversários políticos não acreditam que essa hipótese tenha alguma relação com o crime.

Pessoas próximas à vereadora receberam com preocupação a notícia de que essa linha de investigação havia sido reaberta, uma vez que não veem, ali, motivo suficiente para que alguém tivesse ordenado a execução. Avaliam, também, que o movimento dá indícios de que a polícia não sabe por onde seguir. Leia a reportagem completa.

 

Publicidade

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade