Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

PMDB afasta deputados favoráveis à denúncia contra Temer

Seis parlamentares estão suspensos das atividades partidárias por 60 dias. Eles desrespeitaram fechamento de questão do partido contra a acusação da PGR

Por Da redação Atualizado em 10 ago 2017, 21h27 - Publicado em 10 ago 2017, 20h39

O PMDB informou nesta quinta-feira as punições aos seis deputados federais do partido que votaram a favor da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer (PMDB) na Câmara dos Deputados, na semana passada.

Segundo nota divulgada pela legenda presidida pelo senador Romero Jucá (RR), a Executiva peemedebista decidiu suspender por 60 dias as funções partidárias dos deputados Vitor Valim (CE), Jarbas Vasconcelos (PE), Celso Pansera (RJ), Laura Carneiro (RJ), Sérgio Zveiter (RJ) e Veneziano Vital do Rêgo (PB).

“Esta decisão foi tomada por descumprimento dos parlamentares ao fechamento de questão sobre o assunto em reunião realizada no dia 12 de julho, em Brasília. O ato de suspensão já foi comunicado a todos os filiados e ao Conselho de Ética do partido”, afirma.

Quando “fecham questão” em votações no Congresso, como fez o PMDB contra a denúncia, os partidos pretendem que toda a bancada siga a orientação de voto e sinalizam que retaliarão parlamentares que a desrespeitarem.

Zveiter, um dos deputados punidos, foi o relator da acusação contra Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Ele apresentou relatório favorável ao prosseguimento da denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF) e foi derrotado no colegiado, que aprovou parecer contrário à aceitação da acusação pela Câmara, apresentado pelo deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG).

No plenário da Casa, a denúncia por corrupção apresentada pela Procuradoria-Geral da República com base nas delações premiadas da JBS foi derrubada por 263 votos a 227. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve apresentar mais uma acusação contra o peemedebista, desta vez por obstrução à Justiça, que passará pelo mesmo trâmite na Câmara dos Deputados, passando primeiro pela CCJ e depois pelo plenário.

Por meio de nota, Sérgio Zveiter classifica a decisão do PMDB como “ridícula e covarde”. “Ridícula pois um partido que usa o expediente inescrupuloso de distribuição de emendas parlamentares, cargos e de ameaças de punição ao direito democrático do parlamentar votar não tem autoridade moral de punir quem quer que seja. Covarde pois ameaçou expulsar e agora vem com essa suspensão. Como não tenho cargos no governo, não sou de frequentar o Palácio de pires na mão e não tenho cargo na liderança no PMDB da Câmara, tal suspensão em nada me afetará”, ataca o deputado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)