Clique e assine com até 92% de desconto
Política

Planalto recebeu informação de que filhos de Bolsonaro poderiam ser presos

A edição desta semana de VEJA mostra a mudança de postura de Jair Bolsonaro, que nos últimos meses tem abandonado discursos mais estrilados e passado a negociar com o Congresso Nacional e com o Supremo Tribunal Federal (STF). Um fator até então guardado a sete chaves foi decisivo para a transformação do presidente. Auxiliares do Palácio do Planalto receberam a informação de que o deputado Eduardo Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro poderiam ser alvo de uma ordem de prisão vinda do ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Moraes é relator de investigações que apuram o financiamento criminoso de ataques e ameaças a autoridades, divulgação de fake news e custeio de atos considerados antidemocráticos. Por lei, deputados federais, como o caso do Zero Três, só podem ser presos em flagrante e por crimes inafiançáveis. No caso do vereador Carlos, a imunidade protege somente a manifestação de opiniões. Pelos relatos recebidos por auxiliares presidenciais, os dois possivelmente seriam enquadrados em crimes previstos na Lei de Segurança Nacional. O recado foi passado por um dos principais auxiliares de Bolsonaro diretamente ao chefe e aos filhos.

No final de setembro, novos elementos corroboraram a avaliação palaciana de que os filhos do presidente poderiam ser alvo de ordens judiciais mais drásticas. Em depoimento à Polícia Federal, o deputado Alexandre Frota (PSL-SP) forneceu números de IPs de computadores de Brasília e do Rio, ligados a Eduardo, e que teriam participado de ações de disseminação de fake news na internet. Um dos IPs está relacionado ao email que o filho Zero Três registrou na Justiça Eleitoral.

Alexandre de Moraes é considerado o principal ator que levou o governo Bolsonaro a um ponto de inflexão. Ao compartilhar as descobertas da investigação sobre fake news com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ele  semeou a certeza no presidente de que ele também estava na linha de tiro para perder o mandato. Tramitam no TSE ações de investigação eleitoral que apuram um possível financiamento ilegal da campanha bolsonarista vitoriosa em 2018 e que têm como elemento principal as provas colhidas pelo Supremo.

O chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, agora indicado ao Tribunal de Contas da União (TCU) e tratado pelo presidente como praticamente um membro da família, também atuou diretamente para conter arroubos do vereador Carlos Bolsonaro. Partiu dele o choque de pragmatismo para o Zero Dois: “Carlos, você não está entendendo. O seu pai tem de buscar a conciliação. O que você quer? Fechar o STF? Se isso continuar, o seu pai pode ser preso”.

Continua após a publicidade
LEIA MAIS

Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Você ainda não tem acesso a esta marca. Escolha uma das ofertas abaixo para assinar

melhor oferta

DIGITAL

Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site de VEJA e a todas edições da revista no site e app 92% de desconto 1 ano por 12x R$ 6,90

ASSINE ou
melhor oferta

DIGITAL PREMIUM

VEJA Digital + acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo dos sites Abril: QUATRO RODAS, VEJA SP, VEJA RIO, VEJA SAÚDE, CLAUDIA, SUPER, VOCÊ S/A, VOCÊ RH, DOSSIÊ SUPER e PLACAR, incluindo todas edições das revistas no site e app 60% de desconto 1 ano por 12x R$ 7,90

melhor oferta

DIGITAL + IMPRESSA

VEJA Digital + a revista impressa semanalmente em seu endereço 87% de desconto 1 ano por 12x R$ 21,90

Acesse quando e onde quiser. Cancele a qualquer momento.