Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Planalto promove Dilma em kit por voto em mulheres

Por Da Redação - 15 jul 2010, 09h23

A Procuradora Especial da Mulher na Câmara, deputada Solange Amaral (DEM-RJ), considerou a publicação um “escândalo”.

O governo federal produziu e distribuiu 215.000 cartilhas, 20.000 cartazes e 3.000 livros defendendo o voto nas mulheres. Também foi incluído no material um discurso de seis páginas da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. O kit foi enviado em caixas de papelão pela Secretaria de Políticas para as Mulheres – órgão vinculado à Presidência da República – a partidos políticos, deputados, senadores e demais candidatos nos estados. O custo de impressão das cartilhas, dos livros e dos cartazes foi de ao menos 72.000 reais – o dinheiro saiu de um convênio entre o governo e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Apesar de ter sido elaborado em 2008 e 2009, o material só foi impresso em maio. A distribuição, por parte do governo, começou no mês passado, pouco antes do início oficial da campanha eleitoral. A capa da cartilha, intitulada Mais Mulheres no Poder Plataforma 2010, traz a imagem de um botão verde com a expressão “confirma” – similar a uma urna eletrônica – e a frase “eu assumo este compromisso”. Ontem, a Secretaria para as Mulheres distribuiu a publicação em Brasília numa conferência sobre a mulher na América Latina.

Já o livro intitulado Mais Mulher no Poder: uma Questão da Democracia & Pesquisa Mulheres na Política informa ser a Presidência da República a responsável pela obra e a secretaria pela “elaboração, distribuição e informações”. Em carta assinada no dia 18 de junho e enviada ao Congresso, Sônia Malheiros Miguel, subsecretária de Articulação Institucional e Ações Temáticas, relata aos parlamentares detalhes sobre o livro e a cartilha. Ela avisou que, se for necessário, o governo poderá enviar mais exemplares.

Publicidade

Oposição – As caixas enviadas pelo governo ao Congresso pegaram os parlamentares da oposição de surpresa. O conteúdo do material chamou a atenção por defender o voto nas mulheres com um discurso de Dilma Rousseff dentro de um livro. A Procuradora Especial da Mulher na Câmara dos Deputados, a deputada Solange Amaral (DEM-RJ), que preside o DEM Mulher, considerou a publicação um “escândalo”. A irritação do DEM deu-se também porque a cartilha cita o nome do partido entre as legendas que, alega o governo, aprovaram o seu conteúdo em 2008, num fórum nacional sobre os direitos da mulher. “O DEM nunca faria uma cartilha com essa cara, com a cara da Dilma.”

Secretaria de Políticas para Mulheres argumenta que, por problemas “burocráticos” na liberação do dinheiro, o material que pede votos para as mulheres – incluindo um discurso de Dilma – ficou pronto só no mês de maio. Gerente da pasta, Elisabeth Saar nega qualquer intuito de campanha em favor da petista. “De jeito nenhum. Não tem nada a ver com campanha. Só agora tivemos dinheiro para imprimir”, disse.

“A secretaria é uma facilitadora. A plataforma (conteúdo da cartilha) foi aprovada por um fórum em 2008 que reúne vários partidos. Nós então centralizamos e divulgamos o material para todos os partidos que o pediram, além de deputados, senadores e outros candidatos”, disse. Saar alega que o discurso de Dilma foi incluído no livro por ela ter sido palestrante de um seminário realizado no ano passado.

(Agência Estado)

Publicidade