Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PGR requisita gravações de políticos e grevistas

Procurador-geral da República Roberto Gurgel vai apurar conduta de parlamentares flagrados em conversas com policiais militares

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, enviou, nesta sexta-feira, um ofício ao governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), solicitando formalmente o envio das gravações relacionadas à greve dos policiais militares do estado, que já dura onze dias. O objetivo é apurar a conduta de parlamentares com foro privilegiado no episódio.

As interceptações foram feitas com autorização judicial. O ex-governador do Rio de Janeiro e deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ), por exemplo, foi flagrado em conversas telefônicas com Benevenuto Daciolo, cabo do Corpo de Bombeiros e líder do movimento grevista no Rio de Janeiro.

Na noite de quarta-feira, Daciolo foi preso ao desembarcar no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, após viagem à Bahia. Benevuto é acusado de incitar o movimento grevista nos bombeiros e na Polícia Militar do Rio. Em conversas telefônicas obtidas pela Polícia Federal, Daciolo também negociava com lideranças de outros estados uma paralisação nacional para forçar a Câmara a votar a PEC 300.

Notícia-crime – A Procuradoria da República na Bahia, por sua vez, autou uma notícia-crime para apurar a paralisação dos PMs. A notícia-crime será distribuída a um dos procuradores da República em Salvador.

Neste caso, o MP vai investigar se os policiais incorreram em crimes previstos na Lei de Segurança Nacional, como praticar sabotagem contra instalações militares, meios de comunicações, meios e vias de transporte (artigo 15); tentar impedir, com emprego de violência ou ameaça, o livre exercício de qualquer dos Poderes da União ou dos estados (artigo 18) e apoderar-se ou exercer o controle de aeronave, embarcação ou veículo de transporte coletivo, com emprego de violência ou grave ameaça à tripulação ou a passageiros (artigo 19).

Leia também:

Leia também: Comando punirá PMs que não voltarem ao trabalho