Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PGR denuncia deputado e comparsa de Collor por corrupção na Lava Jato

Segundo a acusação, eles participaram ativamente do esquema do senador na BR Distribuidora

A procuradoria-geral da República apresentou nesta sexta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) denúncia contra o ex-ministro do governo Collor, Pedro Paulo Leoni Ramos, e contra o deputado federal Vander Loubet (PT-MS) pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro e recebimento de propina no valor de 1,02 milhão de reais. Segundo a acusação, eles participaram ativamente do esquema do senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), que também é alvo da Lava Jato, na BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras.

Também foram denunciados o advogado Ademar Chagas da Cruz, apontado como preposto do deputado Vander Loubet no esquema, Fabiane Karina Miranda Avanci e a esposa de Vander Loubet, Roseli da Cruz Loubet. A denúncia é sigilosa no STF. Loubet é próximo do pecuarista José Carlos Bumlai, também preso na Lava Jato, empresário amigo do ex-presidente Lula e que, segundo os investigadores, utilizava o nome do petista como facilitador de transações envolvendo a Petrobras.

Paralelamente a essa denúncia, Fernando Collor também já foi denunciado no Supremo como destinatário de propina no esquema bilionário de corrupção na Petrobras. O lobista Fernando Baiano, apontado pelo Ministério Público como operador do PMDB no petrolão, disse aos investigadores que o senador Fernando pressionou a BR Distribuidora a comprar uma grande quantidade de álcool de uma safra futura de usinas indicadas pelo parlamentar. O valor da transação: 1 bilhão de reais.

Em agosto, Fernando Collor foi denunciado no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro. Em acordo de delação premiada, o doleiro Alberto Youssef já havia apontado o senador alagoano como beneficiário de propina em uma operação da BR Distribuidora. A distribuição do dinheiro sujo contava com a participação do ex-ministro de Collor, Pedro Paulo Leoni Ramos, dono da GPI Investimentos e amigo de longa data do senador, denunciado hoje. Na triangulação do suborno, foi fechado um contrato com uma rede de postos de combustível de São Paulo e que previa a troca de bandeira da rede, para que o grupo se tornasse um revendedor da BR Distribuidora. O negócio totalizou 300 milhões de reais, e a cota de propina, equivalente a 1% do contrato, foi repassada a Leoni Ramos, que encaminhava finalmente a Collor.

Na explosiva delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, Fernando Collor também foi citado como o destinatário de 20 milhões de reais em propina, pagos pela construtora entre 2010 e 2012, para que o senador defendesse interesses da companhia com a BR Distribuidora.