Clique e assine a partir de 8,90/mês

PF pede ao STF autorização para recuperar dados de amigo de Temer

Investigadores não conseguiram recuperar conteúdos de e-mails e mensagens do WhatsApp do celular do coronel aposentado João Baptista Lima Filho

Por Da redação - 7 ago 2017, 21h41

A Polícia Federal pediu ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorização para que o Instituto Nacional de Criminalística realize um procedimento especial a fim de extrair dados do celular do coronel da Polícia Militar aposentado João Baptista Lima Filho, amigo do presidente Michel Temer e alvo de busca e apreensão na Operação Patmos, deflagrada a partir das delações premiadas de executivos da JBS.

A autorização específica se justifica, segundo a PF, porque o procedimento pode levar à eventual perda de dados do aparelho apreendido.

O telefone celular foi retido pela PF em maio, no endereço comercial do coronel Lima, como é conhecido, em São Paulo. Ele é dono da construtora Argeplan. O laudo inicial feito pela polícia indicou que, em relação aos e-mails, somente foi possível ter acesso a data, hora, assunto, remetente e destinatário, mas não ao conteúdo do corpo das mensagens eletrônicas.

A PF também não conseguiu ter acesso a mensagens trocadas pelo WhatsApp e quer usar outra técnica especial de acesso que pode levar a eventual perda de dados. O pedido foi apresentado a Fachin na quinta-feira, mas ainda não houve uma decisão do ministro do STF.

Em depoimento, o executivo do grupo J&F Florisvaldo de Oliveira disse que entregou 1 milhão de reais em um escritório na capital paulista a uma pessoa conhecida por “coronel”, que seria Lima Filho. Tanto ele quanto Temer já negaram publicamente terem recebido esse repasse.

(com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade