Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

PF encontra armamento pesado em depósito de material de campanha da vereadora Carminha Jerominho

Carminha (PT do B) é filha do ex-vereador Jerominho e do ex-deputado Natalinho Guimarães, acusados de comandar a milícia Liga da Justiça, na zona oeste da cidade

Por Da Redação 1 ago 2012, 12h49

Uma ação da Polícia Federal em Campo Grande, na zona oeste do Rio, encontrou armas e munição dentro de um depósito de material de campanha da vereadora e candidata a reeleição Carminha Jerominho, do PT do B. No local também foram recolhidos equipamentos que serviriam, segundo os policiais, a uma central de TV a cabo clandestina.

A ação levanta suspeitas sobre a formação de currais eleitorais na região. Carminha é filha do ex-vereador Jerômino Guimarães (ex-PMDB), o Jerominho, atualmente preso, apontado como um dos chefes da milícia Liga da Justiça, que atua naquela região. Ela também é sobrinha do ex-deputado estadual Natalino Guimarães (ex-DEM), também preso.

O material recolhido e levado para ser apresentado ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que ondem lançou uma ofensiva contra a propaganda irregular e a formação de currais eleitorais em favelas da zona norte do Rio. Entre as armas há pelo menos duas escopetas calibre 12, três metralhadoras, granadas, colete à prova de balas e cápsulas para diversos calibres.

Uma denúncia anônima levou os policiais à localidade Ana Gonzaga no início da manhã. A casa onde foi apreendido o material apresentava cartazes de campanha de Carminha. Ninguém foi preso na ação.

A situação da vereadora Carmem Glória Guinâncio Guimarães Teixeira, ou Carminha Jerominho, tende a se complicar. Eleita em 2008, Carminha foi acusada de coação e formação de curral eleitoral durante aquela campanha, e chegou a ficar presa em Catanduvas, no Paraná, enquanto corria o processo. Depois de tomar posse, ela teve o mandato cassado e teve as contas de campanha reprovadas. A situação de Carminha só se regularizou em fevereiro deste ano, quando o TRE reformou a sentença que havia cassado o diploma da vereadora.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)