Clique e assine com até 92% de desconto

Petra Costa: “Foi uma experiência deprimente e única”

Diretora de 'Democracia em Vertigem' fala a VEJA sobre indicação ao Oscar e reações extremadas ao documentário

Por Marcelo Marthe, Eduardo F. Filho Atualizado em 17 jan 2020, 09h52 - Publicado em 17 jan 2020, 06h00

A cineasta Petra Costa falou ao editor Marcelo Marthe e ao repórter Eduardo F. Filho sobre a indicação ao Oscar.

Como nasceu Democracia em Vertigem? O filme nasceu de um susto. Um dia decidi filmar uma manifestação e fiquei em choque ao ver que muitos estavam pedindo a volta da ditadura militar. Nesse dia, jovens vestidos de vermelho, que também protestavam contra Dilma, tiveram de ser escoltados pela polícia. Eu quis entender aquilo, entender de onde aquele ódio tinha surgido. Nossa equipe se dividiu entre os protestos de rua, o Congresso, e, um tempo depois, conseguimos também filmar os bastidores do palácio. Eu queria captar o pulso da sociedade em suas diferentes camadas.

A ex-presidente Dilma Rousseff declarou que a indicação é a “denúncia do golpe no Oscar”. Democracia em Vertigem é, afinal, o “filme do PT” no Oscar? Um dos mais importantes documentários americanos se chama Primary e retrata as primárias antes da eleição de Kennedy. Nunca vi ninguém comentar que é um filme pró-democratas. No caso de Democracia em Vertigem, conta-se a história de um período político do país por meio da história da minha família. Eu expus ali a história dos meus avós, dos meus pais e a minha para que o espectador tivesse em mãos todas as informações de que ele precisava para entender o meu ponto de vista. Afinal, todo documentário é um ponto de vista. Ao longo do filme, sou honesta sobre minhas decepções, minhas dúvidas e minha esperança.

As reações extremadas a surpreenderam? Nos primeiros meses depois que o filme foi lançado, saía um tuíte por minuto sobre ele. A maioria das pessoas dizia que estava chorando, era uma espécie de catarse. Recebi críticas da esquerda e da direita, mas também mensagens de pessoas que haviam apoiado o impeachment. Apesar da polarização das redes, deputados do PSDB e até do PSL me escreveram para contar que tinham amado o filme. Um, do PSL, disse que fez questão de mostrá-lo a todo o gabinete.

Sua proximidade com Lula e o PT é atestada pelo fato de Lurian, filha do ex-presidente, ter vivido com sua família em Paris nos anos 90. Até que ponto a intimidade com Lula abriu as portas? Logo depois que minha irmã Elena morreu, aos 20 anos, minha mãe queria ir para um lugar onde não tivesse memórias dela, e escolheu fazer um mestrado em Paris. Nessa mesma época, ela tinha ficado sensibilizada com a exposição da Lurian, tão nova, na eleição de 1989, e a convidou para ir conosco. Minha mãe não era próxima do Lula, o convite foi feito por meio de uma amiga em comum. E ela topou. Nós nos vimos pouco desde que voltamos, mas o carinho permanece. Eu só tinha 8 anos na época e não cheguei a conhecer o Lula, apenas o vi falar em público algumas vezes. Em 2016, escrevi uma carta em que pedia uma entrevista. Soube depois que ele nunca a leu. Passei 24 semanas insistindo para gravar até ele topar, depois de um dia em que fiquei dez horas plantada no instituto dele.

Continua após a publicidade

A exposição confessional de sua vida é uma marca de Democracia em Vertigem. Por que se abrir tanto diante das câmeras? Minha formação é em antropologia, por isso sempre duvidei da tentativa de retratar objetivamente a realidade. Quando comecei a fazer filmes, decidi que o mais honesto seria assumir a imperfeição do meu olhar. Além disso, também sentia falta de ver na tela o que eu vivia como adolescente e mulher. O cinema me parecia excessivamente machista, salvo raras exceções. O lema feminista de que “o pessoal é político” inspirou muito meus primeiros filmes. Com Democracia em Vertigem, a equação se inverteu: quis investigar como o político é pessoal. E acredito que esse é um sentimento comum a todos no Brasil hoje. Afinal, a convulsão social rachou famílias, revelou o caráter das pessoas, distanciou amigos. Nossa sociedade foi mexida em suas entranhas. Muito do que vimos não era bonito. Mas era real.

Há especulações sobre a presença da ex-presidente Dilma na festa do Oscar. Está em seus planos levar sua personagem principal à premiação? Foi uma grande diversão ver a reação das pessoas nas redes sociais. Eu rio muito, tanto dos memes de apoiadores como de críticos. Achei engraçado ver que muitas pessoas encontraram na especulação sobre a ida da Dilma à cerimônia uma forma de reparação histórica.

Nos tempos do impeachment, especulou-se que Dilma só havia ido a seu julgamento no Senado para ter seu discurso filmado para o documentário. É verdade? Só quem não conhece a Dilma acreditaria que ela toparia ser dirigida para um documentário. Levei meses para conseguir entrevistá-la. Quando o dia finalmente chegou, achei que seria bonito filmá-la nos arcos do Palácio da Alvorada, e montamos o equipamento lá. Mas, quando ela apareceu, ficou indignada e quase foi embora. Disse que o impeachment não era algo bucólico. Por fim a convencemos, e ela conversou com a gente. Foi uma entrevista curta e formal. Demoraria ainda meses para conseguir entrar num carro com ela.

O presidente Bolsonaro não assistiu ao filme, mas disse que é “bom” para quem gosta de “comida de urubu”. O que pensa do comentário? Ele disse que não viu o filme. Assim, não acho que preciso comentar. Quero chamar atenção para o fato de que historicamente a extrema direita sempre apelou para expressões como essa, comparações com animais, para retirar a dimensão humana do opositor. Quando o caráter humano do adversário é apagado, fica mais fácil qualquer violência ser aceitável. Um dos pilares da democracia é tratar o adversário com respeito. Espero que isso possa ser resgatado no Brasil.

Como foi a experiência de ver de perto o processo de impeachment da ex-presidente? Fogos de artifício marcaram cada etapa do processo. A condução coercitiva de Lula, o dia 17 de abril, a posse de Temer e a eleição de Bolsonaro. Eles vinham anunciando o raiar de um velho dia. Neste ano novo, percebi quanto esse ruído havia me traumatizado. Eu nunca tinha entrado no Congresso Nacional. E de repente estava ali, assistindo em primeira mão aos bastidores de uma crise que mudou nosso destino. Foi uma experiência única. Deprimente e única.

Publicado em VEJA de 22 de janeiro de 2020, edição nº 2670

Continua após a publicidade
Publicidade