Clique e assine a partir de 8,90/mês

Petista denunciado por agressão no Instituto Lula se entrega à polícia

Ex-vereador de Diadema Maninho do PT e seu filho respondem por tentativa de homicídio contra empresário que sofreu traumatismo craniano

Por Da Redação - Atualizado em 17 Maio 2018, 10h22 - Publicado em 16 Maio 2018, 16h50

O ex-vereador de Diadema Manoel Eduardo Marinho, conhecido como Maninho do PT, e seu filho Leandro Eduardo Marinho, se entregaram nesta quarta-feira 16, em São Paulo. Havia uma ordem de prisão preventiva contra ambos por tentativa de homicídio contra o empresário Carlos Alberto Bettoni, agredido em frente ao Instituto Lula, em São Paulo, no dia 5 de abril. A advogada Patrícia Cavalcanti informou que está preparando recursos contra a decisão que negou habeas corpus aos dois.

Maninho do PT e seu filho tiveram a prisão decretada em razão da agressão contra o empresário Carlos Alberto Bettoni. Ele protestava contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no dia em que o petista teve a prisão decretada, quando ficou ficou ferido após ter sido empurrado e batido a cabeça em um caminhão que passava na rua em frente à entidade. O tumulto começou na saída do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), líder do PT no Senado, que foi hostilizado e começou a bater boca com o grupo de manifestantes – ele chamou o manifestante de “provocador”.

Bettoni foi expulso a chutes e empurrões até a rua em frente ao instituto. Ele teve um ferimento na cabeça e ficou estendido no chão por algum tempo – logo depois, levantou-se e foi levado para atendimento médico no Hospital São Camilo, em frente ao local. Segundo o hospital, a vítima sofreu traumatismo craniano.

(com Agência Brasil)

Continua após a publicidade
Publicidade