Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pesquisa mostra por que os rostos da terceira via não empolgam

Levantamento encomendado pelo DEM captou os ânimos do eleitorado sobre os nomes que estão na vitrine política. De Ciro a Moro, não sobraram críticas

Por Rafael Moraes Moura Atualizado em 30 ago 2021, 12h42 - Publicado em 29 ago 2021, 09h49

Se depender de Jair Bolsonaro (ainda sem partido) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), as eleições do próximo ano vão reprisar o “duelo da insensatez” que marcou o pleito de 2018. Na última campanha à Presidência da República, o Brasil se viu refém da polarização política entre o discurso beligerante do capitão reformado e a ruína ética e moral do Partido dos Trabalhadores, que tentava (e ainda tenta) se reerguer após protagonizar os escândalos do mensalão e do petrolão. De lá pra cá, um cenário que parecia promissor para a reeleição do atual chefe do Executivo se tornou nebuloso, com o agravamento da pandemia e a resposta desastrosa do governo no combate à Covid. Enquanto o petista e o presidente aparecem no topo de pesquisas de intenção de voto, mas com alta taxa de rejeição, um outro candidato — sem rosto, nem nome definidos, por ora — surge bem posicionado, com um potencial para bagunçar as cartas de uma disputa que alguns consideram já definida.

O desafio lançado para essa terceira via é o de superar o cenário de fragmentação política, costurar alianças sólidas a nível federal e estadual, ganhar apoio do mercado e da classe média, mobilizar as redes sociais e atrair um número considerável de eleitores que não aguentam mais a perniciosa polarização PT-Bolsonaro. Apesar da bomba-relógio, dá tempo de dar cara e corpo a esse candidato que ainda não saiu do papel, segundo especialistas ouvidos por VEJA.  “Existe uma fadiga de material, uma rejeição em relação às duas candidaturas (Lula e Bolsonaro). Isso nos mostra um caminho de centro, que possa sinalizar para a pacificação do país. A dificuldade é os partidos quererem lançar um candidato”, diz o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, que está empenhado em lançar o nome do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) para o Planalto. “Não acredito em candidatura de proveta. Quem vai fazer a consolidação de uma candidatura é o eleitor, a sociedade”, observa Kassab.

Até o momento, dez políticos já se lançaram, foram lançados ou tiveram os nomes ventilados à disputa pela Presidência da República para preencher o vasto espectro político que existe entre Lula e Bolsonaro. O ex-ministro e eterno candidato Ciro Gomes (PDT) lidera o pelotão de “nem Lula, nem Bolsonaro”, que inclui os governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que disputam as prévias do PSDB, ao lado do senador Tasso Jereissati (CE) e do ex-prefeito Arthur Virgílio (AM); o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM); o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG); o ex-juiz federal Sérgio Moro; o apresentador José Luiz Datena; e a senadora Simone Tebet (MDB-MS). A loteria de presidenciáveis, ao que tudo indica, ainda não acabou.

Uma pesquisa qualitativa, encomendada pelo DEM, captou os ânimos do eleitorado sobre os principais nomes que estão na vitrine política. Veja as críticas que os entrevistados fizeram a cada um deles. Os comentários foram coletados em maio, antes de o apresentador Luciano Huck informar que não vai disputar o Planalto:

 

Ciro Gomes

“Descontrolado”

“Explosivo”

“Sem equilíbrio emocional”

“Bolsonaro de esquerda”

“Populista, demagogo, igual ao Lula”

“Lavou as mãos no segundo turno. Não se posicionou. Foi para Paris”

 

Eduardo Leite

“Desconhecido”

“Muito jovem/verde. Não tem maturidade”

“País preconceituoso: não será respeitado”

“Cara da riqueza. Guri de vó”

 

João Doria

“Inspira desconfiança”

“Falso/sonso”

“Dissimulado”

“Muito político. Produto de marketing”

“Oportunista/esperto”

“Ambicioso”

 

Luciano Huck*

“Sem experiência política”

“Sem bagagem para a presidência”

“Candidato da Globo”

Continua após a publicidade

“Sensacionalista”

“Milionário/playboy”

*Já anunciou que não vai disputar a Presidência da República

 

Luiza Trajano

“Inexperiente na política”

“Falta de familiaridade”

“Pouco conhecimento”

“Empresária: não vai olhar para os pobres”

 

Mandetta

“Dúvida: entende de outras áreas, como economia?”

“Apoiou Bolsonaro”

“Traidor. Duas caras”

“Quis aparecer mais que o presidente”

Hipócrita

 

Sergio Moro

“Se perdeu no caminho”

“Se queimou”

“Traidor. Judas”

“Agiu por interesse próprio. Oportunista”

“Arrogante/ Prepotente”

“Colocou Bolsonaro no poder”

 

Tasso Jereissati

“Nome antigo”

“Política velha”

“Coronel”

“Reduzida familiaridade”

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)