Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Pedrinhas: dois assassinatos em apenas um fim de semana

Apenas neste ano, seis detentos já foram mortos dentro do presídio

Por Da Redação - 13 abr 2014, 15h40

(Atualizada às 19h47)

Dois detentos foram assassinados no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís (MA), neste fim de semana. Ao todo, são seis assassinatos dentro do presídio apenas neste ano. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Justiça e Administração Penitenciária (Sejap). Se forem levados em conta os dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), chega a 66 o total de detentos assassinados em Pedrinhas desde o início de 2013.

Um dos presos era João Altair Oliveira Silva, que tinha 18 anos. Ele foi encontrado pelos monitores no corredor da unidade, na Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ), com diversas perfurações pelo corpo no início da noite de sábado. Wesley de Sousa Pereira foi encontrado morto, com sinais de enforcamento, neste domingo, em uma cela do presídio São Luís 1. Os motivos dos assassinato, aparentemente sem ligação entre eles, ainda é desconhecido e, segundo a Sejap, os casos estão sendo investigados pelas polícias Civil e Militar, com apoio da Força Nacional. Os corpos foram encontrados em prédios diferentes, dentro do mesmo complexo. Com mais essas mortes, o total de presos executados dentro de presídios maranhenses apenas neste ano sobe para nove.

Pedrinhas tem sido palco constante de rebeliões e de brigas entre facções criminosas rivais, além de várias fugas, como a ocorrida no início do mês. Foi de lá que partiram as ordens para que, no fim de 2013, bandidos atacassem delegacias da região metropolitana da capital e ateassem fogo a ônibus. Em um dos cinco ônibus incendiados em São José de Ribamar, no dia 3 de janeiro, estava a menina Ana Clara Santos Souza, de 6 anos, que teve queimaduras em 95% do corpo e morreu dois dias depois.

Publicidade

As outras mortes registradas no complexo neste ano chocam. Alguns detentos foram estrangulados, outros tiveram múltiplas lacerações e até decapitações.

Segundo a Sejap, Pedrinhas abriga 2.196 presos. A capacidade máxima do local é de 1.770 pessoas.

Saiba mais:

Governo Roseana perde prazo, e presos só usarão tornozeleiras eletrônicas em 2015

Publicidade

MP abre investigação para apurar estupros em Pedrinhas

​(Com Agência Brasil)

Publicidade