Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Para analistas estrangeiros, Bolsonaro é pior do que Trump

Para Steven Levitsky, presidente brasileiro é mais autoritário do que o americano, mas tem menos força para promover ataques à democracia

Por Eduardo Gonçalves Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 29 Maio 2020, 15h28 - Publicado em 29 Maio 2020, 10h30

Toda vez que vira alvo de ataques na imprensa internacional, o presidente Jair Bolsonaro gosta de repetir que o seu ídolo, o presidente americano Donald Trump, também é duramente criticado. Ocorre que, pelas últimas atitudes do brasileiro no combate à pandemia de Covid-19, analistas estrangeiros passaram a vê-lo como uma versão piorada do americano.

“Há uma clara comparação. Ambos reagiram com negação e rejeição à ciência. Mas Bolsonaro tem sido um negacionista mais consistente do que Trump, que vai e volta em seus posicionamentos. Ele também é abertamente mais autoritário do que Trump, porque tem mais laços com milícias e elementos do Exército”, diz a VEJA Steven Levitsky, professor de Ciência Política de Harvard e autor do livro Como as Democracias Morrem.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição ()
Clique e Assine

No início da pandemia, o cientista político Ian Bremmer, presidente global da consultoria Eurasia, já havia dito que, perto de Bolsonaro, Trump parecia Winston Churchill, o primeiro-ministro inglês que passou para a história como um dos grandes estadistas do século XX.

Continua após a publicidade

Nesta semana, Bolsonaro foi tema de reportagens de uma série de veículos estrangeiros. Uma das que fizeram mais barulho – sobretudo no mercado – foi publicada por Gideon Rachman no Financial Times, considerada a bíblia do jornalismo econômico, cujo título é “Populismo de Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre”. Ele iniciou o artigo citando uma conversa que teve com um agente do mercado financeiro, segundo a qual “Bolsonaro e Trump eram similares”, mas o brasileiro seria “mais estúpido”.

Com o Brasil e os Estados Unidos como o novo epicentro da Covid-19, os paralelos ficaram inevitáveis, mas há diferenças. Enquanto Trump propagandeou que estava tomando a cloroquina e declarou apoio a atos que pediam a reabertura do comércio, Bolsonaro perdeu dois ministros da Saúde por causa do remédio e participou ele mesmo de pelo menos três manifestações contra as quarentenas nos estados.

Levitsky avalia, no entanto, que Bolsonaro não tem a mesma força de Trump, que tem apoio sólido de um grande partido e controla o Senado e governos estaduais nos Estados Unidos.

Sobre a declaração de Bolsonaro de que a mídia estrangeira é de “esquerda”, o cientista político afirmou que se isolar em uma “bolha” contra a comunidade internacional é uma evidente característica de líderes populistas, como Juan Domingo Perón (Argentina), Hugo Chávez (Venezuela) e Recep Erdogan (Turquia), e pode lhe causar perdas significativas de popularidade entre a classe média – só não tem efeito sobre os “apoiadores hardcore”, como mostra pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira, dia 28: 33% ainda consideram seu governo ótimo ou bom.

“Se o líder tem recursos e apoio da massa [como os três citados acima], o isolamento muita vezes por causar um ataque à democracia.  Agora, se o líder é mais fraco e não tem apoio da massa, como Bolsonaro, isso pode lhe trazer um enfraquecimento ainda maior. Bolsonaro não pode ir muito longe”, conclui Levitsky.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.