Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Padilha entrega vice ao PCdoB, que escolhe sindicalista

Nivaldo Santana, dirigente da CTB (Central dos Trabalhadores do Brasil), fará dupla com o candidato do PT na chapa ao governo do Estado de São Paulo

Depois de perder nesta segunda-feira o apoio do PP, partido presidido em São Paulo pelo ex-prefeito Paulo Maluf, o ex-ministro Alexandre Padilha, candidato do PT ao governo estadual, decidiu entregar ao PC do B a escolha de seu vice em sua chapa.

O escolhido foi o sindicalista Nivaldo Santana, dirigente da CTB (Central dos Trabalhadores do Brasil). A decisão da campanha de Padilha foi tomada depois que líderes do PC do B ameaçaram seguir o caminho do PP e apoiar a candidatura de Paulo Skaf (PMDB) caso não fossem contemplados com uma vaga na chapa majoritária.

No sábado, o vereador Orlando Silva, presidente do PC do B paulista, e o presidente nacional do partido, Renato Rabelo, jantaram com Skaf em São Paulo no apartamento do vice-presidente Michel Temer e abriram uma negociação. “Temos interesse em participar da chapa majoritária (de Padilha). O critério para fazer a aliança é esse”, afirmou Silva, segundo o jornal O Estado de S. Paulo.

Leia também:

Em SP, PT defende Dilma e esquece candidatura de Padilha

Não sei quem é a terceira via’, diz Skaf sobre Padilha

​Em SP, Pros e PDT deixam um pé em cada canoa

Antes de selar o acordo, os petistas pediram ao PC do B que indicasse a deputada estadual e cantora Leci Brandão. A ideia era que Padilha tivesse uma mulher como vice. O partido aliado, porém, rechaçou a sugestão e impôs o nome de Santana, que é considerado um dirigente “orgânico” do PC do B. Padilha e o presidente estadual do PT, Emidio de Souza, se empenharam pessoalmente nas negociações.

Segundo fontes do PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi consultado durante todo o processo. Lula não incentivou a migração rumo à campanha de Paulo Skaf (PMDB) mas também não agiu para impedir o desembarque do PP. De acordo com fontes petistas, o ex-presidente se deu por satisfeito com o apoio do PP à reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Leia mais

Maluf junto com Skaf, como se antecipou aqui: obra de Lula

(Com Estadão Conteúdo)