Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Padilha diz que é ‘perfeitamente possível’ governar sem PSDB

Ao jornal Folha de S. Paulo ministro afirmou também que governo está preparado para votar denúncia contra Temer, mas que cabe à oposição conseguir quórum

Por Da Redação
Atualizado em 31 jul 2017, 14h25 - Publicado em 31 jul 2017, 13h02

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), disse que o Palácio do Planalto deseja a permanência do PSDB na base aliada, mas que é “perfeitamente possível” governar sem o apoio da legenda, que vem ameaçando desembarcar do governo desde que surgiram as primeiras denúncias contra o presidente Michel Temer (PMDB) no escândalo da JBS., em maio deste ano.

O PSDB tem quatro ministros no governo: Bruno Araújo (Cidades), Antonio Imbassahy (Governo), Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Luislinda Valois (Direitos Humanos). “Primeiro, nós queremos que o PSDB permaneça no governo (…). Mas temos de estar preparados para qualquer baixa que porventura tenhamos na base de sustentação do governo”, disse, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Ele afirmou também que o governo está preparado para votar a denúncia por corrupção passiva contra o presidente nesta quarta-feira na Câmara, mas reiterou que cabe à oposição colocar o quórum necessário para a votação. O prosseguimento do processo – caso aprovada na Câmara, a denúncia segue para o Supremo Tribunal Federal (STF) – depende da autorização de ao menos 342 deputados. A votação será nominal – cada parlamentar será chamado ao microfone e deve responder “sim”, “não” ou “abstenção”. O ministro não quis opinar sobre o placar da votação.

O presidente foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção passiva, tendo como base as delações premiadas de executivos do grupo JBS. Ele ainda é alvo de inquérito pelos crimes de obstrução de justiça e pertencimento a organização criminosa, que podem gerar novas denúncias.

Sobre a exoneração dos que votarem contra o as indicações do partido, Padilha diz que “o governo, ao exonerar, não faz mais do que corresponder a esse desejo de não pertencer à administração”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.