Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Pacote anticrime de Moro começa a andar no Congresso

Projeto foi desmembrado para andar no Senado, segundo acordo com o ministro, e tenta ser destravado na Câmara dos Deputados

Por Da Redação Atualizado em 3 jul 2019, 18h03 - Publicado em 3 jul 2019, 17h37

O pacote anticrime apresentado no começo do ano pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, começa a andar no Congresso. Nesta quarta-feira, 3, o Senado desmembrou o projeto e apresentou parte dele na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), numa tentativa de evitar que a atual pressão sobre o ex-juiz da Lava Jato trave as matérias.

O senador Márcio Bittar (MDB-AC), por exemplo, apresentou seu parecer segundo o qual o crime eleitoral de caixa dois está sujeito à pena de reclusão de dois a cinco anos, tanto para quem receber os recursos não contabilizados como para quem os fornecer ou doar.

A pena será aumentada de um a dois terços caso algum agente público colabore para a prática criminosa ou se os recursos, valores, bens ou serviços forem provenientes de crime.

O relatório apresentado não foi votado na sessão desta quarta porque houve um pedido coletivo de vista, e a matéria deverá ser apreciada somente na semana que vem. Depois disso, ainda tem que ser votada em plenário e seguirá para a Câmara.

O texto defendido por Bittar está nos mesmos termos do que foi aprovado no plenário do Senado na semana passada, no âmbito do pacote das dez medidas anticorrupção e do projeto de abuso de autoridade.

“A vantagem é que pode ser que este projeto, como está separado do pacote da semana passada, possa andar mais celeremente”, argumentou Bittar.

Também nesta quarta, o deputado Capitão Augusto (PL-SP) apresenta seu parecer na CCJ da Câmara. Proponente do pacote anticrime, Moro está sob ataque desde que houve vazamento de mensagens sobre a Lava Jato, e publicadas pelo The Interept Brasil.

Continua após a publicidade

Voltando ao Senado, parte do pacote defendido pelo Ministério da Justiça foi divido em três partes pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), para tentar dar mais celeridade ao processo.

Além do crime de caixa dois já apresentado nesta quarta, o senador Marcos do Val (Cidadania-ES) relatará alterações nos códigos Penal e de Processo Penal.

Por fim, a proposta que determina que o julgamento de crimes comuns conexos ao processo eleitoral seja realizado pela Justiça comum será apresentada e relatada pelo senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Na semana passada, senadores governistas, incluído aí Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), primogênito do presidente Jair Bolsonaro, reuniram-se com Moro para discutir a viabilidade de se dar seguimento ao pacote.

OUÇA OS PODCASTS DE VEJA

Já ouviu o podcast “Funcionário da Semana”, que conta a trajetória de autoridades brasileiras? Dê “play” abaixo para ouvir a história, os atos e as polêmicas do ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro. Confira também os outros episódios aqui.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)