Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ouça os áudios em que aliado de Bolsonaro detalha rachadinhas da família

Conhecido como Jacaré, o ex-assessor Waldir Ferraz contou a VEJA como funcionava o esquema nos gabinetes de Jair, Flávio e Carlos Bolsonaro

Por Laryssa Borges Atualizado em 21 jan 2022, 09h34 - Publicado em 21 jan 2022, 10h00

Amigo do presidente da República há mais de 30 anos e ex-assessor de Jair Bolsonaro e do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), Waldir Ferraz detalhou a VEJA como funcionava o esquema de rachadinhas no clã bolsonarista e atribuiu à advogada Ana Cristina Valle, ex-esposa do capitão reformado, o papel de mentora da trama criminosa (LEIA A REPORTAGEM NA ÍNTEGRA).

Em entrevista exclusiva, Ferraz afirmou que o recolhimento de parte dos salários ocorria em três gabinetes da família presidencial – de Jair quando ele era deputado federal, de Carlos na Câmara municipal do Rio e do hoje senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) quando ele cumpria mandato na Assembleia Legislativa fluminense – e garante que nenhum dos três tinha conhecimento das traficâncias de Ana Cristina.

Ouça os áudios:

“Ela que fazia, mas quem assinava? É aquela história: batom na cueca”

 

A jogada dela era a seguinte: ‘quer ganhar um dinheiro? Te dou 1000 reais por mês. Me empresta seu documento aí”

 

Ela pegava a maior parte para ela. Ele quando soube ficou desesperado, era uma fria.”

Continua após a publicidade

 

O recado que ela manda às vezes é no cercadinho. Às vezes ela vai no cercadinho, frequenta o cercadinho”

 

 É como um beco sem saída: ela fez uma merda, eles assinaram sem saber e agora vão pagar caro por isso”

 

 Ele ficou preocupado porque o Flávio, não tinha que tar preocupado com o Flávio. O problema é dele. Porque não ia dar em nada o negócio da rachadinha”

A VEJA Ana Cristina Valle negou participação em rachadinhas e disse que nunca chantageou o presidente. “Jamais faria uma coisa dessas. Ele foi meu marido, é pai do meu filho. Todas essas acusações são para atingir, destruir o presidente. Eu não sou nada. Tenho muitos inimigos. Isso é inveja, despeito, com certeza. Não sou mentora de rachadinha, de nada”, afirmou. Antes de encerrar a conversa com a reportagem, ela fez um último comentário: “Ele (Bolsonaro]) me chamava de sargentona, mas quem mandava no gabinete era ele. Quem assina as nomeações e exonerações é o deputado, é o parlamentar. Não faz sentido assinar sem ler porque todos eles são muito bem instruídos”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês