Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ouça os áudios em que aliado de Bolsonaro detalha rachadinhas da família

Conhecido como Jacaré, o ex-assessor Waldir Ferraz contou a VEJA como funcionava o esquema nos gabinetes de Jair, Flávio e Carlos Bolsonaro

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
21 jan 2022, 10h00

Amigo do presidente da República há mais de 30 anos e ex-assessor de Jair Bolsonaro e do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), Waldir Ferraz detalhou a VEJA como funcionava o esquema de rachadinhas no clã bolsonarista e atribuiu à advogada Ana Cristina Valle, ex-esposa do capitão reformado, o papel de mentora da trama criminosa (LEIA A REPORTAGEM NA ÍNTEGRA).

Em entrevista exclusiva, Ferraz afirmou que o recolhimento de parte dos salários ocorria em três gabinetes da família presidencial – de Jair quando ele era deputado federal, de Carlos na Câmara municipal do Rio e do hoje senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) quando ele cumpria mandato na Assembleia Legislativa fluminense – e garante que nenhum dos três tinha conhecimento das traficâncias de Ana Cristina.

Ouça os áudios:

“Ela que fazia, mas quem assinava? É aquela história: batom na cueca”

 

A jogada dela era a seguinte: ‘quer ganhar um dinheiro? Te dou 1000 reais por mês. Me empresta seu documento aí”

Continua após a publicidade

 

Ela pegava a maior parte para ela. Ele quando soube ficou desesperado, era uma fria.”

Continua após a publicidade

 

O recado que ela manda às vezes é no cercadinho. Às vezes ela vai no cercadinho, frequenta o cercadinho”

Continua após a publicidade

 

 É como um beco sem saída: ela fez uma merda, eles assinaram sem saber e agora vão pagar caro por isso”

Continua após a publicidade

 

 Ele ficou preocupado porque o Flávio, não tinha que tar preocupado com o Flávio. O problema é dele. Porque não ia dar em nada o negócio da rachadinha”

Continua após a publicidade

A VEJA Ana Cristina Valle negou participação em rachadinhas e disse que nunca chantageou o presidente. “Jamais faria uma coisa dessas. Ele foi meu marido, é pai do meu filho. Todas essas acusações são para atingir, destruir o presidente. Eu não sou nada. Tenho muitos inimigos. Isso é inveja, despeito, com certeza. Não sou mentora de rachadinha, de nada”, afirmou. Antes de encerrar a conversa com a reportagem, ela fez um último comentário: “Ele (Bolsonaro]) me chamava de sargentona, mas quem mandava no gabinete era ele. Quem assina as nomeações e exonerações é o deputado, é o parlamentar. Não faz sentido assinar sem ler porque todos eles são muito bem instruídos”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.