Os tentáculos do petrolão no Chile

Léo Pinheiro, ex-presidente da empreiteira OAS, reservou um capítulo de sua proposta de delação para revelar os bastidores das eleições chilenas em 2013

Por Thiago Bronzatto - 31 jan 2017, 17h51

As revelações do marqueteiro Duda Mendonça, publicadas por VEJA em sua última edição, repercutiram nos principais veículos do Chile nesta terça-feira. Em sua proposta de delação premiada feita à Procuradoria-Geral da República, o publicitário baiano afirma que, em 2013, a OAS bancou as campanhas presidenciais de Bachelet, eleita no segundo turno, e de Marco Enríquez-Ominami, candidato que vem ganhando espaço como crítico ferrenho do bipartidarismo no país.

De acordo com o relato de Duda, que prestou serviços para Ominami, o objetivo da OAS era conquistar espaço no mercado chileno influenciando a política local. A construtora fretou uma aeronave utilizada por Ominami durante a sua campanha eleitoral em 2013. Além disso, mensagens de celulares de executivos da OAS, apreendidos na Operação Lava-Jato pela Polícia Federal, revelam que a empreiteira bancou uma viagem do ex-presidente Lula para o Chile em novembro de 2013 para tratar de um assunto de interesse da empresa. “O Brahma (apelido de Lula) quer fazer palestra dia 24/25 ou 26/11 em Santiago”, escreveu Léo Pinheiro. “O avião é por nossa conta”, respondeu o diretor da área internacional da OAS, Augusto César Uzeda. No mês seguinte à vista de Lula, um consórcio integrado pela companhia venceu uma licitação no país.

Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS: revelações sobre a campanha no Chile Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS: revelações sobre a campanha no Chile

Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS: revelações sobre a campanha no Chile /

Duda não é o único disposto a revelar os bastidores das campanhas presidenciais no Chile em 2013. O empreiteiro Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS preso em Curitiba na Operação Lava-Jato, também incluiu no índice de sua proposta de delação premiada feita à Procuradoria-Geral da República um capítulo sobre as eleições chilenas. “As revelações de Léo Pinheiro não ficam bem para a Bachelet”, diz um investigador da Lava-Jato.

“As revelações de Léo Pinheiro não ficam bem para a Bachelet”

investigador da Operação Lava-Jato

O acordo de colaboração do empreiteiro foi suspenso no fim do ano passado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, após VEJA revelar que o empreiteiro citou o ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli. Segundo Léo Pinheiro, funcionários da OAS ajudaram a reparar falhas na impermeabilização da cobertura da casa do magistrado em Brasília. Embora as negociações estejam oficialmente canceladas, advogados da OAS estão em contato com o Ministério Público para retomar as tratativas.

Publicidade

O governo do Chile nega que a campanha de Bachelet tenha sido financiada com recursos da OAS. “Já houve uma tentativa no passado de vincular a campanha da Presidente Bachelet com essa empresa. Tal como naquela oportunidade, descartamos decididamente qualquer vínculo entre a campanha e a empresa, taxativamente”, afirmou a porta-voz Paula Narváez.

Publicidade