Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Oposição também quer ouvir Gilberto Carvalho sobre livro

DEM protocolou requerimento convocando Carvalho para comparecer em duas comissões da Câmara dos Deputados

Por Marcela Mattos e Gabriel Castro, de Brasília 9 dez 2013, 15h45

Além do esforço para levar o ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Junior ao Congresso para dar mais detalhes sobre as afirmações feitas em seu livro Assassinato de Reputações – Um Crime de Estado, a oposição também quer que o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, preste depoimento sobre as revelações de um esquema orquestrado para “produzir e esquentar” dossiês contra adversários do governo Lula, conforme revelou VEJA esta semana.

Nesta segunda-feira, o DEM protocolou requerimento convocando Carvalho para comparecer em duas comissões da Câmara dos Deputados: Segurança Pública e Fiscalização Financeira e Controle. A expectativa é que a proposta seja votada na próxima quarta-feira. Se aprovada, por ser uma convocação e não um convite -, o ministro não pode se recusar a prestar esclarecimentos aos parlamentares.

Segundo Tuma Junior narra em seu livro, em 2010, o então chefe de gabinete de Lula encomendou uma investigação contra o ex-senador e atual governador de Goiás, Marconi Perillo, do PSDB, após o surgimento de um documento apócrifo que afirmava a existência de contas no exterior em nome do tucano. Também esteve na mira da “fábrica de dossiês” petista o então senador Tasso Jereissati (CE).

Leia também:

Tuma Junior revela em livro segredos sórdidos do poder

DEM quer ouvir Tuma Júnior sobre revelações acerca do mensalão

Senado – Tuma Junior também deve ser ouvido no Senado. Em requerimento apresentado nesta segunda-feira com o convite para audiência na Comissão de Constituição e Justiça, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) cita as revelações de que o Ministério da Justiça foi utilizado para produzir dossiês contra adversários políticos do PT. “São revelações que mostram a apropriação da máquina do Estado por um grupo que a coloca a seu próprio serviço”, diz o senador, no pedido. A expectativa do tucano é de que o requerimento seja votado ainda nesta semana.

Continua após a publicidade

Publicidade