Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Operação panos quentes’ poupa general que admitiu golpe militar

Comandante do Exército e ministro da Defesa concordam em dar como encerrado caso de Antonio Hamilton Mourão, que falou em 'derrubar esse troço todo'

Na semana passada, ao ser questionado em uma plateia de maçons em Brasília sobre uma eventual “intervenção constitucional com emprego das Forças Armadas”, o general Antonio Hamilton Mourão admitiu abertamente a possibilidade de um golpe militar no país. “É óbvio, né, que, quando nós olhamos com temor e com tristeza os fatos que estão nos cercando, a gente diz: ‘Pô, por que não vamos derrubar esse troço todo?’ Na minha visão, a minha visão, que coincide com a dos meus companheiros do Alto-Comando do Exército, nós estamos numa situação daquilo que poderíamos lembrar lá da tábua de logaritmos, ‘aproximações sucessivas’. Até chegar o momento em que ou as instituições solucionam o problema político pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos de impor isso”, disse o general. E detalhou o que significaria “impor isso”: “Nós temos planejamentos, muito benfeitos. Então, no presente momento, o que que nós vislumbramos… os Poderes terão de buscar a solução. Se não conseguirem, né, chegará a hora que nós teremos de impor uma solução. E essa imposição não será fácil, ela trará problemas, podem ter certeza disso aí”.

Contrariar superiores em público configura grave transgressão às normas militares. É desnecessário dizer o que representa expressar o desejo de “impor uma solução” ao país. O general Mourão sabe disso e seus comandantes também. Esperava-se, portanto, que ele fosse justa e prontamente punido. O que se seguiu, porém, foi uma sucessão de trapalhadas e malsucedidas tentativas de pôr panos quentes no episódio.

Leia esta reportagem na íntegra assinando o site de VEJA ou compre a edição desta semana para iOS e Android. Aproveite também: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Uma revista como a Veja não pode emitir opiniões pagas por terceiros. O povo brasileiro não aguenta mais ser roubado e usurpado pelos maus políticos. A declaração do General Mourão encontra eco nesse sentimento nacional e a Revista Veja deveria estar atenta a isso e não a serviço de terceiros.

    Curtir

  2. Joel Auditori

    Porque pedi prisão de um General Do Exercito, eu as vezes não acredito nas coisas que a gente vê? Como tudo é invertido, tudo que eu vi e ouvi ele dizer foi ” Se continuar da maneira que está onde alguns políticos estão envolvidos com escândalos de corrupção não ser tirado da sociedade algo terá que ser feito. Pode ser qualquer um dos poderes a convocar as Forças Armadas, já que tem uns ai que ameaça o povo dizendo que vai “BOTAR FOGO NO BRASIL”. E ai não vejo Revistas falando a respeito desses Movimento Queimadores de Pneu e ainda tem um Lider desse movimento MTST, que acha que está no Direito de Pedir Prisão de um General Pelo Twitter, Gleise Hoffman Investigada em propina Pedindo Prisão de Um General do Exercito. Abre o Olho para de fazer Inversão de valores. Olha o ponto que chegamos ladrões pedindo prisão de gente Honesta que não está envolvido com Corrupção, Somos uma vergonha para o Mundo.
    Enquanto Presidente Trump condecora com Medalhas seus Militares das Forças Armadas, No país do Brasil. LADRÃO PEDINDO PRISÃO DE UM OFICIAL DA NOSSAS FORÇAS ARMADAS, VERGONHOSO, VERGONHOSO

    Curtir

  3. Hernando J Barbosa

    Tem que intervir mesmo. O Brasil já acabou como nação há muito tempo. Só os militares para nos salvar, porque os poderes estão repletos de ladrões.

    Curtir