Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Onyx terá de deixar governo se for comprovada ‘ilicitude’, diz Mourão

Futuro ministro-chefe da Casa Civil é investigado por suposto recebimento de caixa dois, delatado por executivos da J&F

Por Da Redação Atualizado em 6 dez 2018, 07h47 - Publicado em 5 dez 2018, 16h11

O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, afirmou nesta quarta-feira, 5, que, se forem encontradas irregularidades na investigação aberta contra Onyx Lorenzoni, o futuro ministro-chefe da Casa Civil de Jair Bolsonaro terá de deixar o futuro governo.

Na terça-feira 4, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin atendeu a pedido feito pela Procuradoria-Geral da República para abrir investigação sobre acusações de caixa dois feitas por delatores da J&F a Lorenzoni.

De acordo com o depoimento de delatores da J&F, Lorenzoni recebeu dois repasses de 100.000 reais, um em 2012 e outro em 2014. Na manifestação enviada pela PGR ao Supremo na semana passada, Raquel Dodge pediu a separação dos trechos das delações da J&F sobre caixa dois específicos sobre dez alvos que eram deputados e senadores à época dos fatos narrados e que seguirão com prerrogativa de foro em 2019.

“Uma vez que seja comprovado que houve ilicitude, é óbvio que terá que se retirar do governo. Mas, por enquanto, é uma investigação”, disse Mourão em entrevista coletiva realizada em Belo Horizonte. O general participa nesta quarta-feira na capital mineira de encontro com empresários.

Continua após a publicidade

Mourão afirmou, ainda, que, apesar de não haver “aceno neste sentido”, não só ele poderá participar da articulação política do governo se assim for determinado por Bolsonaroc omo também o general Santos Cruz.

“A questão da coordenação política, da ligação com o Congresso, o presidente vai definir se vai ficar com o ministro Onyx, ou se terá parcela dela nas mãos do general Santos Cruz (futuro ministro-chefe da Secretaria de Governo), e, talvez, se o presidente determinar pra mim, que determinadas ligações sejam feitas, eu o farei. Então, por enquanto, não há nenhum aceno neste sentido”, disse.

O general voltou a dizer ainda ser “o escudo e a espada” de Bolsonaro. “O escudo defende, e a espada ataca antes de ele ser atacado”, disse.

Bolsonaro reitera Mourão

O presidente eleito Jair Bolsonaro comentou, nesta quarta-feira, 5, em Brasília, a declaração de seu vice, o general Hamilton Mourão. “Em havendo qualquer comprovação, obviamente, ou uma denúncia robusta contra quem quer seja do meu governo, que esteja ao alcance da minha caneta Bic, ela será usada”, afirmou.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)