‘O que mata é a vizinhança’: os memes sobre o condomínio de Bolsonaro

Preocupação com desvalorização dos imóveis após alta exposição é assunto recorrente

Por Leandro Resende, do Rio de Janeiro - Atualizado em 31 out 2019, 20h52 - Publicado em 31 out 2019, 20h36

Os moradores do Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, estão acostumados aos holofotes desde pelo menos setembro do ano passado, quando o então candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) fez da sua casa, no famigerado número 58, o bunker de sua campanha rumo ao Planalto. Desde o começo desta semana, porém, que o depoimento de um porteiro relacionou a maior autoridade do país ao homicídio da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes que a rotina no local mudou de vez.

Moradores comentam entre si que a alta exposição do nome do condomínio na imprensa pode contribuir para sua desvalorização. Os imóveis de até 600 m² que custam até 4 milhões de reais, de acordo com sites de vendas na Internet, convivem com os holofotes neste ano desde que foi preso lá, nas casas 65 e 66, foi preso Ronnie Lessa, policial militar reformado acusado de ter feito os disparos que tiraram a vida da vereadora.

Na imagem que viralizou nos grupos de WhatsApp, o Vivendas da Barra se transforma no ‘Vivendas da Barra Pesada’, com o slogan “o lugar é ótimo, o que mata é a vizinhança’. O anúncio falso brinca com a informação de que o porteiro é “atencioso” e que a unidade 66 (de Ronnie Lessa) está disponível, e a casa 58, de Bolsonaro estará livre “em breve”.

 Reprodução/Reprodução

VEJA mostrou nesta quinta-feira, 31, que o porteiro que prestou depoimento à polícia vinculando o nome do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao assassinato da vereadora Marielle Franco está de férias e tem previsão de retorno ao trabalho no mês que vem.

Publicidade

Segundo relatos, o porteiro que está no centro do debate que sacode o Brasil nesta semana é um funcionário antigo, com mais de uma década de serviços prestados ao Vivendas da Barra. Ele é tido como alguém “de confiança” e um dos mais velhos em atividade no local.

Publicidade