Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O que dizem os relatórios secretos do governo sobre o ministro Flávio Dino

No final dos anos 80, o então estudante de Direito foi apontado como um dos líderes da manifestação que derrubou os portões da reitoria da UFMA

Por Hugo Marques Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
2 dez 2023, 15h49

No final da década de 80, a ditadura militar já tinha acabado, mas o Serviço Nacional de Informações (SNI), os comandos militares e a Polícia Federal ainda mantinham seus serviços de inteligência vigiando desafetos do antigo regime. Um dos monitorados era Flávio Dino, ministro da Justiça, que esta semana foi indicado pelo presidente Lula para ocupar uma no Supremo Tribunal Federal.

Um relatórios produzidos pela Polícia Federal em março de 88, por exemplo, discorria sobre a eleição do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Flávio Dino, que cursava Direito, tinha sido eleito coordenador da entidade.

A PF dizia que a chapa, denominada “Desacato”, tinha sido apoiada pelo PT e defendia, entre outras propostas, eleições diretas para os cargos de direção acadêmica, orçamento participativo da universidade e aumento da representação estudantil — ideias, evidentemente, perigosíssimas. O relatório foi difundido para os centros de inteligência do Exército, Marinha e Aeronáutica, uma senha para redobrar a vigilância sobre o estudante.

 

polícia federal
Inteligência da Polícia Federal monitorava estudantes. (reprodução/Reprodução)

Derrubando os portões da UFMA

Em junho de 1988, o SNI produziu um relatório confidencial sobre uma manifestação na UFMA. Durante uma consulta plebiscitária para escolha de reitores, Flávio Dino e seu grupo, descontentes com o fato de terem sido proibidos de entrar no local onde seria discutida a nomeação do reitor, pressionaram a segurança e derrubaram parcialmente portões de acesso à reitoria.

O relatório do SNI cita Flávio Dino como um dos líderes responsáveis por insuflar o protesto. “Esse público, onde a maioria era de estudantes e professores, não se conformou com a medida e, proferindo palavras de ordem, passou a pressionar os guardas de segurança da UFMA, responsáveis pelo controle dos portões de acesso à reitoria, insuflados, principalmente, pelos atuais coordenadores do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFMA”. Entre eles, Flávio Dino, diz o relatório.

documento do sni narra protesto na universidade
Flávio Dino: documento narra protesto na Universidade Federal do Maranhão – (reprodução/Reprodução)

Apoio ao candidato do PT

O atual ministro da Justiça também era monitorado em função de seu apoio ao então presidenciável Luiz Inácio Lula da Silva. Em novembro de 1989, os serviços de inteligência difundiram um relatório do SNI sobre a mobilização do movimento estudantil para apoiar a campanha de Lula.

No Maranhão, o PT tinha realizado um seminário estadual da juventude, evento coordenado por estudantes, entre eles Flávio Dino. Nestas reuniões foram debatidos temas como a candidatura de Lula, o socialismo, a preparação da campanha presidencial e a elaboração de um trabalho para capitalizar eleitoralmente a juventude, especialmente aquela incluída na faixa etária entre 16 e 18 anos — um perigo, sem dúvida.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.