Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que dizem aliados de Moro para convencê-lo a concorrer a deputado

Apoiadores projetam que o ex-juiz poderia trabalhar desde já para tentar assumir a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara

Por Laryssa Borges 18 jun 2022, 12h46

Aliados do ex-juiz Sergio Moro tentam convencê-lo a concorrer a uma vaga de deputado na Câmara Federal com o argumento de que, no caso de uma votação histórica, o ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro poderia dar início a negociações para assumir a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, considerada a mais importante da Casa e responsável por dar crivo jurídico a propostas de lei. O posto, com duração de dois anos, funcionaria, dizem interlocutores, como um contraponto ao protagonismo do presidente da República, seja ele Lula (PT) ou Jair Bolsonaro (PL). Em conversas sobre o destino do ex-juiz, protagonista de uma sucessão de reveses políticos que inviabilizaram que ele concorresse à Presidência da República, como planejado, apoiadores contabilizam que na Câmara ele teria de 40 a 50 deputados para uma “bancada morista”.

Três razões principais explicam os motivos pelos quais Moro resiste em aceitar desde já a possibilidade de disputar uma vaga à Câmara pelo União Brasil, como é desejo do partido. Além de alimentar a remotíssima possibilidade de a conjuntura política o devolver de volta à corrida presidencial, o ex-juiz da Lava-Jato acredita que, se topar a empreitada, enfrentará um ambiente de constante hostilidade no meio de centenas de outros parlamentares. Também conta nas avaliações o fato de ele ser pressionado por apoiadores nas redes sociais a não eleger, com sua potencial votação, outros deputados sem qualquer compromisso com pautas voltadas ao combate à corrupção, por exemplo.

Como eventual candidato a deputado pelo Paraná, seu domicílio eleitoral de origem, ele também concorreria com o ex-procurador Deltan Dallagnol (Podemos), que chefiou a força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, e com o ex-governador Beto Richa (PSDB), alvo do então magistrado em uma operação que em 2018 investigou o envolvimento de servidores públicos e empresários para favorecimento de licitações em benefício da Odebrecht.

A despeito dos cálculos feitos por apoiadores, Moro alimenta o sonho de ser candidato ao Senado, mas para isso poderia ter de concorrer contra o senador Alvaro Dias (Podemos), um dos responsáveis por levá-lo para a vida partidária. Nos últimos dias, interlocutores de Dias não descartaram a possibilidade de o parlamentar disputar uma vaga na Câmara, evitando o desgaste de bater chapa com o ex-juiz.

No cenário em que se leva em conta a candidatura de Moro ao Senado, no entanto, há outros percalços no caminho. A legenda é comandada no Paraná pela família Francischini, cujo deputado estadual, Fernando Francischini, foi cassado pela Justiça Eleitoral por espalhar fake news sobre as urnas eletrônicas e virou a mais recente arma de ataque do presidente Jair Bolsonaro contra o Supremo Tribunal Federal (STF). Francischini foi coordenador da campanha bolsonarista em 2018. Para que Moro fosse dispute o Senado pelo Paraná seria necessário que o presidente do União Luciano Bivar impusesse o nome do ex-juiz ao diretório.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)