Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

O preocupante crescimento do movimento neonazista no Brasil

Mapeamento atualizado no fim de 2019 identificou 334 células no país, a maioria em São Paulo e nos estados do Sul

Por André Siqueira Atualizado em 24 jan 2020, 10h36 - Publicado em 24 jan 2020, 06h00

Roberto Alvim acabou sendo exonerado do cargo de secretário nacional de Cultura depois da divulgação de seu vídeo com frases e estética que remetiam a Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolf Hitler. Ele não foi o único a trazer de volta as memórias de um dos períodos mais obscuros da história. O escândalo coincide com o momento em que há um preocupante crescimento do movimento neonazista no Brasil. Em mapeamento atualizado no fim de 2019, a antropóloga Adriana Dias, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), identificou 334 células no Brasil, a maioria em São Paulo e nos estados do Sul. Uma lei de 1989 prevê pena de reclusão de dois a cinco anos a quem fizer apologia do nazismo. Em um dos episódios mais recentes envolvendo essa questão, foi cancelado um festival de música que ocorreria no último dia 18 no bar Caverna do Dragão, na cidade de Canoas, no interior do Rio Grande do Sul, que não era outra coisa senão um encontro de neonazistas empolgados com a saudação hitlerista e embalados pelo black metal. Após uma denúncia sobre a realização do evento, a dona do bar foi intimada pela polícia e disse que cancelou tudo depois de saber a motivação da turma. “Fiquei transtornada com a repercussão, isso me prejudicou bastante”, afirma Valéria Vigonozas.

O número de casos explícitos de antissemitismo e de exposição de símbolos do Terceiro Reich tem aumentado nos Estados Unidos e na Europa, mesmo onde a legislação é rigorosa e penaliza seus autores, como na Alemanha. Segundo o Centro para o Estudo do Ódio e do Extremismo da Universidade do Estado da Califórnia, os crimes de caráter antissemita estão prestes a atingir o pico em dezoito anos em Nova York, onde fica a maior comunidade judaica das Américas. Na França, o Comitê Nacional Consultivo de Direitos Humanos constatou 541 atos de antissemitismo em 2018 — um aumen­to de 74% em comparação com o ano anterior. Na Alemanha, ocorreram 1 646 ataques no mesmo período, e, no Reino Unido, 1 652, de acordo com o Observatório dos Direitos Humanos (HRW). “A ascensão de governos populistas de direita, com discurso claramente discriminatório a minorias como a comunidade LGBT, também tem contribuído para empoderar esses grupelhos”, diz David Magalhães, do Observatório da Extrema Direita. “Há um clima ideológico mais favorável a essas células, antes prostradas e malditas, mas que, agora, estão exumando o pior da humanidade”, completa.

Publicado em VEJA de 29 de janeiro de 2020, edição nº 2671

Publicidade