Clique e assine a partir de 9,90/mês

O patrimônio milionário do número 3 do novo partido de Bolsonaro

Advogado e empresário Luís Felipe Belmonte é dono de fazendas, carros de luxo e dinheiro no exterior e aluga imóveis ao Ministério Público

Por Eduardo Gonçalves, João Pedroso de Campos - Atualizado em 29 nov 2019, 08h32 - Publicado em 29 nov 2019, 06h22

Terceiro na hierarquia e segundo vice-presidente do Aliança Pelo Brasil, novo partido do presidente Jair Bolsonaro, o advogado Luís Felipe Belmonte é pouco conhecido fora do círculo da família presidencial, mas ainda vai ganhar muita visibilidade – e não apenas por sua posição de destaque na legenda. Reportagem de VEJA desta semana mostra quem é Belmonte e sua trajetória.

Até outubro de 2018, quando foi eleito primeiro suplente de senador pelo PSDB, seu patrimônio era de 65,7 milhões de reais, segundo declaração prestada ao Tribunal Superior Eleitoral. Compõem os bens de Belmonte fazendas, carros de luxo e investimentos no exterior. Outra fonte de renda são aluguéis de dois prédios a órgãos do Ministério Público, que somam 769.000 mensais.

Seu escritório de advocacia, que hoje tem unidades em Brasília e em São Paulo, atua sobretudo em casos de direito empresarial e societário. Apenas em um processo iniciado em 1989 na Justiça trabalhista de Rondônia, que envolvia precatórios da União, ele embolsou mais de 100 milhões de reais em honorários. Nas eleições de 2018, ele foi o terceiro maior doador privado para campanhas no país.

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Continua após a publicidade

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

 

Publicidade